F1: “Andretti deveria ter trabalhado nos bastidores como fiz com a Haas”, afirmou Steiner

Michael Andretti segue sonhando em colocar sua própria equipe na Fórmula 1, mas o caminho não está sendo fácil. O ex-chefe da Haas, Gunther Steiner, sabe bem das dificuldades de entrar na categoria. Diferente de Andretti, a Haas conseguiu a autorização para entrar na F1 em 2014, antes da estreia em 2016. No podcast The Red Flags, Steiner analisou a empreitada de Andretti e apontou o que ele pode estar fazendo de errado.

“Em primeiro lugar, a abordagem dele foi pública. Quando você quer entrar em algo, não sai anunciando para todo mundo. Primeiramente, converse, marque encontros, jante com as pessoas envolvidas. Afinal, ele quer entrar em um clube, e esse clube não quer ter ele como membro. Ninguém está convidando ele, então acho que é preciso respeitar isso”, disse o ex-chefe da Haas.

Steiner sabe tudo sobre o processo de conseguir uma autorização para entrar na F1, já que garantiu a vaga para a Haas em 2014. Ele lembrou o quanto é árduo entrar na categoria: “Vocês não sabem o quanto trabalhei nos bastidores antes de conseguir a licença, antes deles aceitarem. Fiz ligações para todo mundo, sobrinhos, primos, tentando explicar a ideia por trás do projeto, sem ser agressivo, apenas mostrando no que eu estava trabalhando para tornar isso realidade.”

No fim, a decisão de permitir a entrada da Haas na F1 se provou acertada, mas como Steiner explica, ninguém poderia prever isso: “Foi bom porque se tornou uma boa história. Não falhamos, eu não falhei, foi bem-sucedido. Não decepcionei ninguém e você precisa mostrar para as pessoas que elas estão te fazendo um favor, mas que você não vai decepcioná-las.”

“Na época, conseguimos o motor da Ferrari, que no final acabou lucrando com isso. Uma equipe americana foi boa para eles e já entregamos resultados na primeira corrida. No fim, não decepcionei ninguém, então todos estão felizes”, encerrou Steiner.