F1: Mercedes quer superar rivais com ritmo de atualizações

A Mercedes pretende implementar atualizações para o carro de 2024, em ‘um ritmo que os outros não possam acompanhar’, após o retorno da equipe ao pódio no GP do Canadá de Fórmula 1.

O início decepcionante da equipe alemã na temporada deste ano foi minimizado em Montreal, onde o W15 finalmente mostrou velocidade real para brigar pela vitória.

Apesar de George Russell ter conquistado a pole position, superando Max Verstappen da Red Bull, o piloto britânico cometeu alguns erros que o fizeram cair para o terceiro lugar no final da corrida. Já Lewis Hamilton considerou sua corrida como uma das piores da carreira, mas mesmo assim terminou na quarta posição após largar em sétimo, e de ter sido um dos mais rápidos nos treinos livres em Montreal.

O diretor técnico da Mercedes, James Allison, afirmou que o fato de perder a chance de vencer, foi ofuscado pela satisfação de estar de volta à briga pelo topo.

“Há uma sensação de grande felicidade, mas também um pouco de, ‘aquela vitória poderia ter sido nossa’, e você não consegue tirar isso da cabeça, por mais que tente”, disse ele. “Mas o sentimento principal é de alegria por ter dado mais um passo à frente com o carro. Foi o primeiro fim de semana em que podemos dizer que fomos competitivos, e talvez, um prenúncio de coisas boas por vir”, acrescentou.

Essa recuperação da Mercedes, é em boa parte atribuída a uma nova asa dianteira que foi introduzida em Mônaco e corrigiu os problemas de equilíbrio que a equipe enfrentava no início da temporada.

Questionado sobre se a nova peça funcionou como esperado, Allison respondeu: “Eu diria que sim. Tínhamos uma ideia de como ela se comportaria, porque a utilizamos em Mônaco, apenas com George.”

“Já em Montreal usamos nos dois carros e esperávamos um bom desempenho. Esperávamos que rendesse um pouco mais no Canadá do que em Mônaco, porque o circuito canadense, embora incomum, é mais convencional do que o de Mônaco. E ela entregou mais performance, tornou o carro fácil de pilotar, bem equilibrado e transformou o carro em um aliado, ao invés de um adversário, o que tem sido o problema para nós na parte inicial da temporada”, disse ele.

Russell se mostrou confiante de que o ritmo da Mercedes é real e que a equipe agora brigará com a Red Bull em todas as pistas. No entanto, Allison adotou uma postura mais cautelosa, afirmando que a Mercedes não espera ser tão forte quanto foi no Canadá em circuitos mais convencionais.

“As mudanças que fizemos estão tornando este carro melhor. E isso valerá para todos os circuitos. “As características de Montreal fazem com que o carro pareça um pouco mais rápido do que realmente somos. Na Espanha, acho que provavelmente seremos competitivos, mas não devemos estar na liderança. Isso porque as próximas pistas são um teste mais severo para o carro. Asfalto quente, curvas de alta velocidade”, acrescentou.

No entanto, o engenheiro britânico revelou que a Mercedes continuará com uma abordagem agressiva de atualizações, com o objetivo de superar o desenvolvimento dos concorrentes.

“Porém, também sei o que temos por vir”, continuou ele. “Também sei o que estamos planejando para melhorar ainda mais o carro. Nosso desafio é apenas fazer com que essas atualizações cheguem em um ritmo que os outros não consigam acompanhar. É isso que queremos fazer, superar a concorrência com o esforço de todos aqui nas próximas semanas e meses, para que o carro possa repetir o desempenho de Montreal, ou seja até melhor, em qualquer pista que formos no futuro”, completou Allison.