Ideia de Q4 na F1: mais desafio e “punições severas” na classificação

Ex-diretor técnico sugere introdução de Q4 para adicionar mais “risco” ao duelo pela pole position

Gary Anderson, ex-diretor técnico, propôs a introdução de um novo segmento Q4 no formato de qualificação da F1 para adicionar mais “risco” à disputa pela pole position.

O formato de qualificação de três estágios da F1, introduzido em 2006, manteve-se amplamente inalterado, com a sessão de uma hora dividida em três partes. Em 2023, alguns eventos apresentaram um formato de “sprint shootout”, reduzindo o tempo das sessões de Q1, Q2 e Q3 e apresentando regras mais estritas para os pneus.

Anderson, ex-projetista da Jordan, sugeriu ir além e adicionar um quarto segmento de qualificação, apresentando apenas os cinco pilotos mais rápidos do Q3. Sob o sistema de Anderson, os cinco mais rápidos teriam apenas cinco minutos – tempo suficiente para apenas uma volta rápida – para disputar a pole position.

Escrevendo em sua coluna para o Telegraph, ele disse: “A ‘sprint shootout’ para a classificação é mal nomeada porque está longe de ser um duelo.

“A F1 deveria olhar para esse título para inspiração sobre como melhorar as principais sessões de qualificação. O formato atual para a corrida principal funciona bastante bem, mas há espaço para melhorar o espetáculo.

“Eu faria isso adicionando uma quarta mini-sessão para que tenhamos um Q4 que segue o Q3. Q1 e Q2 seriam mantidos da mesma forma, com cinco carros eliminados a cada vez.

“No entanto, o Q3 – em vez de definir o grid final para o Grande Prêmio – se tornaria outra sessão de eliminação, onde os cinco pilotos mais rápidos avançam para o Q4 e competem pela pole.

“O Q4 seria então um duelo de uma volta, com um novo conjunto de pneus macios, com um limite de tempo de cerca de cinco minutos – apenas o suficiente para fazer uma volta rápida.

“No Q3, os pilotos atualmente têm duas chances de conquistar a pole position, o que significa que os erros não são punidos de forma tão severa e há menos risco.”

A ideia de Anderson surge em meio a uma série de sugestões de mudanças nas regras do veterano de 73 anos, que não trabalha para uma equipe de F1 desde que deixou a Jordan em 2003.

No início deste mês, Anderson pediu que o formato de sprint oferecesse “algo significativamente diferente” da corrida principal e instou as autoridades da F1 a considerar a introdução de grids invertidos, com base nos resultados do Q1 na classificação do Grande Prêmio. Ele também revelou seu desejo de ver o sistema de penalidades da F1 revolucionado com uma solução semelhante à forma como os cartões amarelos são usados no futebol profissional.