F1: Piastri é o piloto com melhor custo-benefício na categoria

O novato Oscar Piastri foi apontado como o piloto que ofereceu a melhor relação custo-benefício para uma equipe da Fórmula 1 em 2023. O australiano, com um salário estimado de US$ 2 milhões, marcou 97 pontos em sua primeira temporada na categoria, ajudando a McLaren a ressurgir de competidora de fundo de grid para uma equipe regular no pódio.

Fernando Alonso ficou em segundo lugar após uma bem-sucedida primeira temporada com a Aston Martin, enquanto seu companheiro de equipe, Lance Stroll, completou o top 3.

O atual campeão Max Verstappen, apesar de ter o maior salário, está colocado na metade superior da lista de melhores custo-benefício, pois dominou a temporada passada em sua jornada para o terceiro título.

Com relação aos pilotos mais caros, esse rótulo é dado aos veteranos Kevin Magnussen e Valtteri Bottas, que pilotaram carros não competitivos na maior parte do ano.

Os valores dos salários abaixo são aproximados de várias fontes. Nyck de Vries, Liam Lawson e Daniel Ricciardo não estão incluídos nessa visão geral, porque não disputaram a temporada completa.

Ranking de custo-benefício:
Piloto Salário estimado anual (US$) Pontos 2023 Salário por ponto (US$)
Oscar Piastri 2 milhões 97 20.619
Fernado Alonso 5 milhões 206 24.272
Lance Stroll 2 milhões 74 27.027
Sergio Perez 10 milhões 285 35.088
George Russell 8 milhões 175 45.714
Yuki Tsunoda 1 milhão 17 58.824
Carlos Sainz 12 milhões 200 60.000
Pierre Gasly 5 milhões 62 80.645
Max Verstappen 55 milhões 575 95.652
Lando Norris 20 milhões 205 97.561
Esteban Ocon 6 milhões 58 103.448
Alexnder Albon 3 milhões 27 111.111
Charles Leclerc 24 milhões 206 116.504
Lewis Hamilton 35 milhões 234 149.573
Nico Hulkenberg 2 milhões 9 222.222
Zhou Guanyou 2 milhões 6 333.333
Logan Sargeant 1 milhão 1 1.000.000
Valtteri Bottas 10 milhões 10 1.000.000
Kevin Magnussen 5 milhões 3 1.666.667

Esse ranking destaca a importância de encontrar jovens talentos como Piastri, que oferecem um alto valor agregado aos times. Por outro lado, veteranos como Magnussen e Bottas, apesar de sua experiência, podem não ser o melhor investimento para equipes que buscam maximizar seus resultados financeiros.

É importante ressaltar que os salários são apenas um fator a ser considerado na avaliação de custo-benefício. Outros aspectos, como liderança, marketing e experiência, também devem ser levados em conta.