F1: Hamilton fala sobre conversas duras e pedidos ignorados na Mercedes

Lewis Hamilton, em uma entrevista à BBC, abriu o jogo sobre os momentos de dúvida que enfrentou durante a difícil temporada 2023 da Fórmula 1, que teve com a Mercedes. O piloto britânico de 38 anos, apesar de suas críticas ao carro da equipe, o W14, admitiu que também se culpou pelos problemas.

“Ultimamente, quando você tem temporadas difíceis como esta, sempre haverá momentos em que você pensa: ‘É comigo ou é o carro? Ainda tenho isso? Isso se foi?’ Porque você sente falta daquilo, sabe… quando a magia acontece, quando tudo se encaixa, o carro e você, e aquela faísca, é extraordinário. E é isso que você busca”, afirmou Hamilton.

Além de ter sentimentos ambíguos em relação ao seu carro da Mercedes, Hamilton admitiu ter dúvidas sobre si mesmo. “Eu sou humano. Se alguém no mundo disser que não tem essas dúvidas, está em negação. Somos todos seres humanos.”

No entanto, ao mesmo tempo, ele permanece crítico em relação à forma como sua equipe lidou com certas situações. Por exemplo, ele afirma que percebeu no início da temporada deste ano que o W14 não conseguiria atender às expectativas, mas que a Mercedes não o ouviu o suficiente.

“Me lembro de sentir exatamente a mesma coisa. E isso definitivamente não foi uma sensação ótima. Eu realmente tinha grandes esperanças”, continuou Hamilton. “Tenho certeza de que houve frustrações, porque eu havia pedido por certas mudanças, e elas não foram feitas.”

Isso resultou em algumas ‘conversas difíceis’ com a Mercedes. “Ninguém sabia exatamente qual era o problema. Ninguém sabia como resolver. Tendo a experiência do ano anterior, eu me dediquei, cavando fundo, sentando com os caras. Tínhamos reuniões muito melhores. Eu conseguia manter uma atitude muito mais positiva durante o ano e pensar: ‘Vai ser uma temporada longa, mas não vamos desistir. Vamos continuar buscando o máximo do carro, seja lá o que for isso’,” concluiu Hamilton.