X Rally parte para o desafio do Dakar dentro de verdadeiro “dream team”

A 46ª edição do Rally Dakar começa na sexta-feira (5) e já se inicia com bons prognósticos para quatro brasileiros que alinham dentro de um verdadeiro esquadrão dos sonhos na categoria carros. Os irmãos Cristian e Marcos Baumgart, que somam cinco títulos do Sertões, disputam a prova a bordo dos Prodrive Hunter T1+ preparados na Inglaterra e com os quais os brasileiros já disputaram provas em 2023.

A empresa britânica leva sete exemplares do Hunter à Arábia Saudita e além das duplas brasileiras, formadas por Cristian Baumgart/Beco Andreotti e Marcos Baumgart/Kleber Cincea, dois dos maiores nomes do rali mundial: Sebástien Loeb, nove vezes campeão mundial e vice-campeão nas duas últimas edições do Dakar, e o qatari Nasser Al-Attiyah, pentacampeão do Dakar e último campeão da prova.

A X Rally completa 25 anos de existência em 2024 e a participação no Dakar reforça um status de profissionalismo e inovação implantado no rali brasileiro desde 1999 e coleciona títulos e vitórias. O Dakar é mais um passo para a equipe. “Começamos o ano já realizando alguns sonhos como equipe, justamente no ano em que a X Rally completa 25 anos de existência”, destaca Beco Andreotti, navegador de Cristian há mais de 20 anos e CEO do time brasileiro. “Estar no Dakar é a realização de mais um sonho. Este ano temos a possibilidade de lutar por bons resultados, especialmente com a estrutura que temos na X Rally em parceria com a Prodrive. Poder participar do Dakar novamente, especialmente com o carro que vamos, é espetacular”, disse.

Cristian e Beco vão para sua segunda participação no Dakar. Eles competiram na prova em 2019, na última edição realizada na América do Sul. Naquele ano, a competição foi realizada exclusivamente em território peruano, e as duplas da X Rally disputaram a prova entre os UTVs. Cristian e Beco terminaram a prova em nono lugar no geral da classe e ainda venceram uma especial. “É o maior e mais desafiador rali do mundo. O nível de exigência, de dificuldade e de competitividade é tanto que só de completar o Dakar já é um feito e tanto. Agora entre os carros vai ser diferente, mas estamos já mais acostumados com o Hunter e vamos trabalhar para buscar bons resultados”, afirmou Cristian, tetracampeão do Sertões. A dupla vai no carro com inscrição número 245.

Marcos Baumgart e Kleber Cincea vão para o terceiro Dakar da dupla. Após uma primeira experiência entre os carros em 2013, os campeões de 2020 do Sertões e pentacampeões brasileiros de rali cross country foram destaque entre os UTVs na edição 2019 no Peru, terminando em sexto lugar. Agora, no Prodrive Hunter numeral 242 a dupla busca, primeiro, completar a prova.

“Estou muito feliz de estar indo para o Dakar pela terceira vez. É um sonho de criança. O carro que temos neste ano, comparado ao que tivemos antes – e corremos o nosso último Dakar ainda de UTV -, vai fazer uma grande diferença. Vamos buscar fazer uma boa prova, com uma equipe boa. Terminar o Dakar é algo incrível. Quero terminar bem a prova para ficar na minha história”, disse Marcos, que em 2023 com o Hunter venceu o Rally do Jalapão e foi campeão do Sertões na classe T1+, além de ter disputado os ralis de Sonora, no México, e do Marrocos.

Kleber Cincea destaca o tamanho do desafio que representa a prova que se inicia na sexta-feira. “O Dakar é a maior prova do mundo. Só de estar aqui, vivendo essa experiência, em um grid gigantesco, é sensacional. Prova longa e desafiadora. Só de terminar já te torna um vencedor. É um grande privilégio poder estar nesta prova, fazendo o que amamos, em uma competição deste nível”, concluiu.

A prova de 2024 terá quase oito mil quilômetros, com 4,7 mil valendo contra o relógio. Serão 12 etapas mais o prólogo de sexta-feira. O Dakar começa em Al’ Ula e termina em Yanbu. Uma das novidades desta edição é a etapa de 48 horas na região desértica chamada de “O Quarto Vazio” (Empty Quarter), no deserto Rub’Al Khali, que cobre 650 mil km², sendo a maior área contínua coberta de areia no mundo.

Nesta etapa em específico os competidores terão até as 16 horas locais do dia 11 (sexta etapa) para alcançarem um dos oito acampamentos distribuídos pela região para passar a noite. Pilotos e navegadores terão duas horas para proceder com reparos e manutenção em seus veículos; eles receberão suprimentos para passar a noite e serão liberados às sete da manhã do dia 12 para completarem a etapa, tendo percorrido um total de 532 quilômetros cronometrados de 781 totais.

Cristian e Marcos Baumgart, Kleber Cincea e Beco Andreotti fazem parte de uma de uma das maiores delegações que o Brasil já teve na história do Dakar em uma mesma edição. Contando as duplas da X Rally, serão 17 competidores brasileiros entre carros, quadriciclos e UTVs.