F1: ‘Sou subestimado em relação a Senna’, reclama Prost

Alain Prost reflete sobre sua carreira e insiste que supera Senna em habilidades de corrida, mas não recebe o devido reconhecimento

O quatro vezes campeão mundial de Fórmula 1, Alain Prost, acredita ser “completamente subestimado” em comparação com outros pilotos da Fórmula 1, atribuindo isso em particular às comparações com seu arquirrival Ayrton Senna, que frequentemente se mostram desfavoráveis ao francês.

Apelidado de ‘O Professor’ devido à sua abordagem calculista como piloto, Prost é o quarto na lista de pilotos de F1 com mais títulos mundiais em seu nome. No ranking de vitórias em Grandes Prêmios, ele está atualmente em quinto, com 51 vitórias, já que Max Verstappen o ultrapassou em 2023. Apesar dessas estatísticas impressionantes, Prost acredita que não recebe o crédito que merece. “Às vezes me pergunto como serei lembrado. Parece uma piada, mas sou completamente subestimado! Eu sei disso. Eu posso ver. Não sei por que, mas é minha marca de certa forma,” ele disse à Motor Sport Magazine.

“Isso parece que vai permanecer assim para sempre, faz parte da história,” ele adicionou. “Olhe para meus outros companheiros de equipe: [John] Watson, [René] Arnoux, [Eddie] Cheever, Niki [Lauda], Keke [Rosberg], Stefan [Johansson], Nigel [Mansell], Jean [Alesi] e Damon [Hill]. Ninguém fala sobre eles. Tive cinco campeões mundiais como companheiros de equipe, então é um pouco uma pena.”

Prost destacou que é principalmente lembrado por suas intensas batalhas com Senna, com quem foi companheiro de equipe na McLaren em 1988 e 1989, embora nada em harmonia. Senna venceu o campeonato em um ano, Prost no seguinte. Ele garantiu o título mundial de ’89 após o polêmico acidente com seu companheiro de equipe no Grande Prêmio do Japão. Quase exatamente o mesmo cenário se repetiu um ano depois, desta vez com Senna levando o título. Senna ainda é visto por muitos hoje como o melhor piloto de todos os tempos, mas Prost acha isso injustificado. “Ayrton representava mais panache. Eu era o ‘Professor’, clínico. Ele era ‘místico’ e as pessoas gostavam disso. Quando ele me impressionou devo dizer que foi na classificação às vezes, não me lembro quando exatamente. Nunca em condições de corrida. Nunca. Em condições de corrida, no aquecimento, na maioria das vezes eu era mais rápido,” disse Prost.