F1: Wolff critica FIA por “ataque pessoal à família” após investigação

Toto Wolff, chefe da equipe Mercedes, criticou a FIA por lançar um “ataque pessoal” que “ultrapassou os limites” após uma investigação sobre um suposto conflito de interesses. A investigação da FIA, que envolvia um chefe de equipe e um membro da Fórmula 1 Management (FOM), foi rapidamente encerrada sem ações adicionais, após relatos de que informações confidenciais estariam sendo compartilhadas.

Todos os outros nove times emitiram declarações negando serem a fonte da alegação, que veio de um “membro do pessoal da FOM”, segundo a declaração inicial.

A Mercedes afirmou que não foi informada previamente sobre a declaração da FIA e está envolvida em uma “troca legal ativa” com a entidade sobre o incidente. Susie Wolff, diretora da F1 Academy, expressou em mídias sociais que estava “profundamente insultada” pela insinuação de irregularidades de sua parte.

Wolff declarou que, apesar de estar acostumado a ouvir críticas após dez anos como chefe de equipe, a história foi chocante. “Quando sou pego no fogo cruzado, isso não é problema para mim. Desenvolvi uma pele grossa e posso suportar. Mas quando você ataca minha família, é um nível diferente”, disse Wolff ao Bild. Ele descreveu a acusação como absurda e um ataque pessoal que ultrapassou um limite vermelho.

Wolff enfatizou que ele e Susie são profissionais o suficiente para manter suas diferentes áreas de especialização separadas, e não vê onde seu trabalho tem muito sobreposição um com o outro.