F1: Prost esclarece polêmica sobre veto a Senna na Williams em 1993

Uma das maiores rivalidades da história da Fórmula 1, a disputa entre Ayrton Senna e Alain Prost, ganhou um novo capítulo. A polêmica em torno de uma suposta cláusula no contrato de Prost em 1993, impedindo Senna de ser seu companheiro na Williams, foi esclarecida pelo próprio francês em entrevista ao podcast ‘Beyond the Grid’.

Em resumo, o contrato de Prost realmente continha uma cláusula vetando Senna como companheiro de equipe, mas segundo Prost, ele não foi o responsável pela inserção dessa cláusula no contrato. “Não, eu não tentei fazer isso”, afirmou ele. “Frank (Williams, então chefe e dono da equipe) estava usando a mídia para dizer isso, mas ele sabia há muito tempo que era o caso.”

Prost explica que, ao entrar na Williams, ele não tinha ideia de quem seria seu companheiro e tampouco havia exigido o status de número um no time. Ele acredita que a própria equipe inseriu a cláusula para evitar qualquer conflito futuro.

“Eu realmente me senti mal com essa história porque é normal quando alguém entra em um time, como muitos outros, eles pedem um contrato de número um”, disse Prost. “Eu nunca pedi um contrato de número um. Nunca fui número um. Eu até fui número dois atrás de Niki Lauda quando entrei na McLaren em 1984.”

Apesar de entender a posição da equipe, Prost admite que não gostaria de dividir a garagem com Senna novamente, caso essa possibilidade existisse. “Eu não tive problemas em lutar contra ele na Ferrari e ele na McLaren. Mas não queria repetir o que fizemos na mesma equipe, trabalhando duas vezes mais, comigo fazendo todos os testes de pré-temporada enquanto ele estava descansando no Brasil. Você não quer isso.”

No entanto, a relação entre os dois pilotos sofreu uma reviravolta no final da carreira de Senna. Após Prost anunciar sua aposentadoria em 1993, Senna, que não falava com o francês havia um ano, surpreendentemente pediu para que ele reconsiderasse.

“A única coisa que Ayrton disse, a primeira vez que ele falou comigo novamente, foi no pódio em Adelaide. Mas especialmente depois do pódio, ele já me pediu para que voltássemos a conversar”, afirmou Prost.

Mesmo com essa tentativa de reconciliação, Prost acredita que Senna e ele eram pilotos muito diferentes. “Éramos muito diferentes. Estilos de pilotagem muito diferentes, especialmente no início. Uma maneira muito diferente de trabalhar dentro da equipe, pensamento diferente, educação diferente. Diferentes também em nossa mentalidade, então eu diria que éramos muito diferentes”, finalizou o ex-piloto francês.

A entrevista de Prost revela detalhes interessantes sobre a relação complexa entre os dois maiores pilotos de sua geração, mostrando que mesmo longe das pistas, a rivalidade Senna x Prost continua a despertar interesse e debate até os dias de hoje.