F1: Mario Andretti chateado com resistência das equipes da categoria

Apesar de ter o aval da FIA, a ambição da Andretti de entrar na Fórmula 1 esbarra na forte resistência das atuais equipes e da Liberty Media, dona da categoria. Mario Andretti, lenda do automobilismo e patriarca da família, não esconde a frustração com a situação: “Meu coração sangra quando vejo como a Fórmula 1 trata meu filho (o também ex-piloto, Michael Andretti)”, desabafou ao jornal suíço Blick.

No momento as dez equipes atuais temem que a chegada de novos concorrentes dilua o valor dos prêmios, gerando preocupações financeiras. Além disso, há questionamentos sobre a real competitividade da Andretti Autosport na categoria de elite do automobilismo.

Enquanto a Andretti já montou uma estrutura com centenas de funcionários para viabilizar o projeto, a Liberty Media parece hesitar em permitir o aumento do grid. A proprietária da F1 prioriza a exclusividade para manter o alto valor da categoria. Para o ex-chefe da F1, Bernie Ecclestone, a solução seria simples: “Os Andretti deveriam ter comprado uma equipe anos atrás. Não teriam esses problemas agora. Claro que as equipes vão resistir!”

A compra da Haas, equipe que vem desempenhando abaixo das expectativas e passando por diversas mudanças internas, poderia ser uma alternativa. Porém, a recente demissão do chefe de equipe Guenther Steiner por Gene Haas indica que o empresário americano dificilmente se desfará do time tão cedo.

Com obstáculos surgindo a cada passo, o sonho da Andretti de entrar na F1 parece se distanciar cada vez mais. A família norte-americana enfrenta uma dura batalha contra interesses financeiros e a lógica de manutenção do ‘status quo’ que permeiam o paddock da F1. Resta saber se a determinação dos Andretti será suficiente para superar as barreiras e colocar uma décima primeira equipe no grid em 2025.