F1: Cooperação entre Red Bull e AlphaTauri levanta muita desconfiança no paddock

A relação de trabalho e cooperação entre a Red Bull e a AlphaTauri está sob crescente escrutínio no paddock da Fórmula 1, principalmente depois do anúncio de que essa parceria vai aumentar em 2024. O Auto, Motor und Sport revelou declarações de funcionários de equipes rivais, e admite a existência de incertezas até mesmo dentro da Red Bull.

Com o nome anterior de Toro Rosso, hoje AlphaTauri, a equipe sempre foi considerada a ‘irmãzinha’ da Red Bull. Nos primeiros anos, o carro da então Toro Rosso, era praticamente uma cópia do da RBR, até que a prática foi proibida pela FIA. As equipes passaram a precisar desenvolver seus próprios chassis. No entanto, essas regras se flexibilizaram nos últimos anos, permitindo que times como Williams e Haas comprassem componentes da Mercedes e Ferrari, respectivamente.

A AlphaTauri, contudo, seguiu um caminho diferente. Sob o comando de Franz Tost, a equipe priorizou o desenvolvimento independente de soluções próprias. “Eles achavam que sabiam mais do que Adrian Newey”, brincou certa vez Helmut Marko, consultor da Red Bull. Por outro lado, a Red Bull, sob a liderança de Oliver Mintzlaff, adotou uma abordagem mais focada em eficiência de custos, pressionando a AlphaTauri a operar de forma similar.

No entanto, com a aposentadoria de Tost após o encerramento da temporada 2023, e a chegada de Peter Bayer e Laurent Mekies à direção da AlphaTauri em 2024, a tendência indica uma aproximação maior com a Red Bull. O plano de utilizar mais conhecimento da equipe principal já provoca insatisfação entre os concorrentes. “Produzir seis assoalhos completamente novos está além de qualquer limite do teto de gastos”, afirmou uma fonte de outra equipe ao AMuS.

A AlphaTauri apresentou um volume alto de atualizações durante a temporada passada. A FIA monitora de perto a relação entre as duas equipes, pois o compartilhamento de informações e conhecimento entre times diferentes é proibido, assim como a realização de testes para outra equipe no túnel de vento. Apesar dos esforços da FIA para evitar irregularidades, o tema gera preocupação entre os demais competidores.

Na verdade, a própria Red Bull reconhece a desconfiança do paddock. “Se a AlphaTauri estiver brigando pelo quinto lugar no ano que vem, com certeza surgirão rumores de que deveríamos vender a equipe”, admitiu um dirigente da RBR ao site alemão. O quanto a AlphaTauri conseguirá se aproximar da Red Bull em 2024 e se isso levará a investigações mais sérias da FIA, será um dos assuntos mais quentes da próxima temporada da F1.