F1: Brundle aponta conflito entre FIA e FOM depois de negada a entrada da Andretti

O ex-piloto de Fórmula 1 e atual comentarista, Martin Brundle, declarou que a FIA e a Formula One Management (FOM), estão agora em um conflito direto, após a rejeição da candidatura da Andretti para ingressar no grid da categoria.

Embora a FIA tenha aprovado a proposta da Andretti após o processo de ‘Expressões de Interesse’ em 2023, uma declaração da FOM anunciada hoje, rejeitando a proposta da nova equipe, impediu que dois carros extras se juntassem ao grid nos próximos dois anos.

A porta foi fechada momentaneamente, com a possibilidade de uma entrada em 2028, através de um potencial acordo de unidade de potência com a General Motors, que na verdade já é parceira da equipe Andretti. No entanto, a declaração da F1 deixou claro que uma equipe adicional ainda não é bem-vinda no momento.

Citando razões como uma possível falta de competitividade da equipe e a crença de que ‘a F1 traria valor à marca Andretti’, ao invés do contrário, a decisão foi tomada, mas a porta foi deixada entreaberta para o futuro.

Em termos imediatos, Brundle explicou que essa decisão coloca a FIA e os detentores dos direitos comerciais do esporte em desacordo, com decisões opostas sendo tomadas em relação à tradicional equipe Andretti, que corre na Indycar, na Fórmula E, na Extreme E, entre outras categorias.

Brundle afirmou: “Como fã da Fórmula 1 e como comentarista, adoraria ver uma 11ª e até uma 12ª equipe no grid, especialmente porque pilotos como Max Verstappen, Charles Leclerc, Lando Norris e outros, como George Russell na Mercedes, assinaram contratos de longo prazo. O calendário está bastante consolidado atualmente, então seria emocionante ver isso, mas é muito mais complexo do que parece.”

A declaração da F1 destacou as dificuldades logísticas de adicionar uma equipe extra, mas deixou uma possibilidade para o futuro: “Olharíamos de maneira diferente para uma inscrição de uma equipe no Campeonato de 2028 com uma unidade de potência da GM, seja como equipe oficial ou como equipe cliente da GM.”

Brundle concluiu apontando para o conflito entre a FIA e a FOM, destacando que a decisão divergente sobre a equipe Andretti é emblemática desse confronto. O desenrolar dessa situação promete ser longo, com a Andretti provavelmente argumentando por uma chance de provar sua competência diante das razões apresentadas pela F1 para a recusa.