F1 adia testes com ‘para-lamas’ contra spray de água por motivos financeiros

A Formula 1 está trabalhando em um novo desenvolvimento para reduzir o spray de água que sai de baixo dos carros em corridas com chuva. A ideia é colocar ‘para-lamas’ ao redor das rodas em condições de pista molhada. Contudo, os testes dessas peças foram adiados por motivos de custo.

O spray compromete a visibilidade dos pilotos, gerando situações perigosas e atrasos em muitas sessões. O novo conceito foi testado em Silverstone no início deste ano, mas não obteve os resultados desejados. Outro teste estava agendado para o mês passado, mas foi adiado para maio do próximo ano a pedido das equipes, devido aos desafios logísticos no final da temporada e implicações financeiras.

Nikolas Tombazis, diretor de monopostos da FIA, afirmou ao Motorsport.com, que a organização está disposta a ouvir as equipes sobre como os testes devem ser conduzidos. “Obviamente para esses testes, contamos com o apoio das equipes que fazem o trabalho, pois não temos carros próprios. O trabalho que estava planejado aconteceria no início de novembro, mas a disponibilidade de peças e a capacidade de produção das equipes envolvidas, significaria que elas teriam que obter tudo externamente, e isso seria muito caro. Então, eles pediram se poderiam adiar o teste até maio do próximo ano para reduzir o custo. Achamos isso sensato. Do ponto de vista técnico, teríamos preferido fazer isso já, é claro, se não fosse muito caro.”

De acordo com ele, é impossível produzir ‘para-lamas’ que impeçam completamente a projeção da água, mas há considerável espaço para evolução. Crucial nessa situação é obter uma melhor compreensão da quantidade de spray gerada pelo difusor dos carros de efeito solo atuais. “O que ainda temos dúvida é qual proporção se deve ao difusor geral e ao efeito de sucção da água da pista, algo que claramente isso não corrigirá, e quanto se deve às rodas”, concluiu.

Se os testes em maio mostrarem que esses ‘para-lamas’s sobre as rodas não são a solução contra o spray dos carros, será necessário adotar um curso de ação diferente. Se os testes forem bem-sucedidos, podemos começar a ver essa solução adotada em 2025 ou 2026.