FIA revela resultados preocupantes sobre abuso nas redes sociais

Iniciativa “United Against Online Abuse” visa combater o crescente abuso nas redes sociais contra estrelas do esporte

Um novo relatório abrangente publicado pela FIA detalhou como 90% das federações esportivas temem que o abuso nas mídias sociais online possa forçar estrelas do esporte a abandonarem suas carreiras.

“United Against Online Abuse” foi criado pelo presidente da FIA, Mohammed Ben Sulayem, para estudar o impacto do abuso online contra estrelas do esporte e suas famílias, contando com a participação de outras grandes federações esportivas como FIFA, World Athletics e a UCI (ciclismo), além da própria FIA.

No relatório, 75% dos entrevistados relataram que os competidores enfrentam regularmente ameaças contra si ou suas famílias, com 90% dos respondentes sugerindo que, a menos que as empresas de mídia social façam mais para combater a tendência crescente, as estrelas abandonarão seu esporte.

Casos de alto perfil que desencadearam o relatório incluem os futebolistas ingleses Eni Aluko e a atacante do Chelsea Lauren James, bem como Wayne Barnes – o árbitro da final da Copa do Mundo de Rugby de 2023 entre Nova Zelândia e África do Sul, vencida por esta última.

Um caso de abuso contra uma comissária espanhola da FIA no Grande Prêmio do México de 2022 também foi um “gatilho principal” para a sanção do relatório.

“O abuso online é um problema persistente no mundo esportivo. Várias federações internacionais expressaram suas preocupações por meio de nossa pesquisa barômetro e em discussões regulares que mantivemos desde o lançamento da campanha em 2022”, explicou o presidente Ben Sulayem.

“Os resultados da pesquisa destacam a importância de esforços antiviolência unidos em todo o ecossistema esportivo e além. Como parte da campanha UAOA, o objetivo de nossa coalizão é erradicar o flagelo do abuso online em nosso esporte.

“Juntos, buscamos promover mudanças comportamentais e regulatórias para criar um ambiente mais seguro, harmonioso e livre de abuso, discurso de ódio e assédio.

“Já contamos com o apoio de várias entidades esportivas e governos e estamos em discussões com outros stakeholders para ampliar nossa base de apoio.”