F1: Verstappen não gosta das corridas Sprint, mas apoia mudanças no formato

Max Verstappen comentou as propostas de alteração para os finais de semana com corrida Sprint, classificando o novo formato que foi sugerido como ‘mais lógico’. Apesar disso, o piloto da Red Bull mantém sua posição contrária a esse tipo de final de semana.

Em 2023, a Fórmula 1 expandiu as Sprints de três para seis etapas e alterou o formato. As sextas-feiras contavam com apenas um treino livre antes da classificação para o GP de domingo, enquanto os sábados introduziram a ‘Sessão de classificação Sprint’, que definia o grid para a corrida curta realizada na parte da tarde.

Há duas semanas, a Comissão da F1 propôs um novo formato, trazendo a classificação para a Sprint para a sexta-feira, após o primeiro treino livre. No sábado, acontecerá diretamente a corrida Sprint, seguida da classificação para o GP.

Apesar de não ser fã das Sprints, Verstappen enxerga um ponto positivo na mudança. “É um pouco mais lógico, eu diria, com a forma como o formato está organizado”, afirmou o piloto à imprensa, durante a apresentção do RB20 da Red Bull na quinta-feira. “Para mim, não fico mais animado ganhando uma corrida Sprint ou disputando posições nessas corridas, mas sim, pelo menos é um pouco mais lógico, eu diria.”

Espera-se que as regras do ‘Parque Fechado’ também sejam alteradas com o novo formato, permitindo ajustes na configuração entre a Sprint e a sessão de classificação para o GP. Em 2023, o ‘Parque Fechado’ era usado após o treino de sexta-feira nos finais de semana com Sprint, obrigando as equipes a definir a configuração antecipadamente com poucos dados.

Verstappen concorda que as revisões do ‘Parque Fechado’ são uma mudança importante. “Sim, acho que é um pouco melhor”, disse ele. “Às vezes você fica preso, e sabe que seu fim de semana está arruinado, você não pode realmente mudar nada. Então, com certeza, vai ajudar um pouco.”

As restrições do ‘Parque Fechado’ em 2023 contribuíram para a desclassificação de Lewis Hamilton e Charles Leclerc do GP dos Estados Unidos, em Austin, Texas, devido ao desgaste excessivo da prancha do assoalho. A Mercedes argumentou que a falta de tempo de treino antes do ‘Parque Fechado’ a impediu de saber que sua configuração causaria o desgaste ilegal da peça.

Na época, Verstappen aproveitou o assunto para reiterar sua antipatia pelo formato Sprint. “Essas coisas acontecem realmente, eu acho, quando você tem um fim de semana de Sprint, quando tudo é tão corrido entre o TL1 e a classificação, você pensa ‘uhhh, acho que podemos estar bem’,” disse o holandês em outubro passado.

“Por que precisamos tentar inventar algo? Acho que nosso produto funciona, se você apenas garantir que os carros sejam competitivos e as regras permaneçam as mesmas por um longo tempo, por que estamos sempre inventando coisas novas? Quase parece uma loucura que precisamos inventar algo”, acrescentou.

“Basta deixar do mesmo jeito. No futebol você não muda as regras, nem em outros esportes. É assim há 100 anos. Por que de repente precisamos inventar outras coisas para tentar torná-lo divertido? Acho que se você tiver uma boa corrida com carros bem próximos, não precisa de um formato ou fim de semana de Sprint”, encerrou o piloto holandês.

O novo formato proposto para as corridas Sprint será levado ao Conselho Mundial de Automobilismo no dia 28 de fevereiro, buscando aprovação. Em 2024, as Sprints serão realizadas na China, Miami, Áustria, EUA (COTA), Brasil e Catar.