F1: Verstappen é novamente crítico com calendário atual da categoria

Às vésperas da nova temporada da Fórmula 1, Max Verstappen voltou a criticar o extenso calendário da categoria. Com um recorde de 24 corridas programadas para 2024, o atual campeão considera que a quantidade de provas é excessiva.

De acordo com rumores na imprensa, o calendário de 24 corridas tende a aumentar nos próximos anos, já que cada vez mais promotores buscam incluir a F1 em seus países. Afinal, a Liberty Media, empresa americana proprietária da categoria, lucra consideravelmente com isso.

“Sinto que já estamos ultrapassando o limite de corridas”, afirmou Verstappen na coletiva de imprensa de hoje antes do GP do Bahrein. O piloto de 26 anos indicou que não conseguirá manter esse ritmo por muitos anos. Levando em conta todas as viagens durante a temporada, os pilotos ficam mais de trinta semanas fora de casa, o que não agrada o holandês.

“Isso não é sustentável. Eu amo correr e faço isso muito, inclusive fora da Fórmula 1, mas chega um ponto em que você começa a pensar na qualidade de vida e em quanto tempo fica longe de casa para praticar esse esporte. Em algum momento, prefiro simplesmente estar em casa e me concentrar em outros projetos, porque isso é loucura”, afirmou.

“No final das contas, é claro, a decisão não cabe a mim. A Fórmula 1 quer fazer o que for melhor para o esporte. Mas se as pessoas envolvidas na categoria começarem a encurtar suas carreiras por causa da carga excessiva, acho que isso será uma pena”, encerrou Verstappen.

Não é a primeira vez que o piloto da Red Bull fala sobre abreviar a carreira na F1. Muitas pessoas no paddock da categoria, acreditam que seja bastante possível que Verstappen encerre sua carreira, após o final do seu atual contrato com a Red Bull Racing, que vai terminar em 2028.