F1: Surpreendentemente, Wolff defende Red Bull em polêmica sobre propriedade de equipes

O CEO da Mercedes, Toto Wolff, surpreendeu ao defender a Red Bull Racing em meio à controvérsia sobre a propriedade de duas equipes na Fórmula 1.

Nas últimas semanas, cresceram as críticas à Red Bull, principalmente por sua relação próxima com a Visa Cash App RB (ex-AlphaTauri), sua equipe irmã. O CEO da McLaren, Zak Brown, foi especialmente crítico em sua insatisfação com a colaboração tão próxima entre as equipes. Brown defende uma mudança no regulamento para garantir maior independência entre os construtores, já que a VCARB utiliza atualmente o máximo de peças permitidas da Red Bull.

No entanto, Wolff ressaltou que a Red Bull trouxe muito valor para a F1, incluindo o financiamento de uma segunda equipe. “Acho que a categoria deve muito à Red Bull”, disse ele à imprensa. “Eles financiam duas equipes, possuem um ótimo programa de jovens pilotos, um circuito e muito valor de marca. Portanto, eles não são como nenhuma outra equipe menor. Então, eu acho que, no nível dos acionistas, é uma discussão bem difícil baseada nessa contribuição”, afirmou Wolff.

Enquanto a McLaren se opõe à estrutura da Red Bull, Wolff, apesar de admitir a necessidade de revisão do regulamento, alertou para o risco de proibir totalmente a colaboração entre equipes.

“Somos um esporte de construtores, e acredito que para um mesmo acionista, mesma localização e compartilhamento de instalações, é claro que sempre haverá alguma ambiguidade para os concorrentes”, afirmou. “O que precisamos ver é se as regras são robustas o suficiente e se são bem fiscalizadas para estarmos em um ambiente seguro. Precisamos ver se existem potenciais brechas”, disse ele.

Wolff continuou destacando a importância de encontrar um consenso: “Essa é a principal questão, definir regulamentos que deixem todos confortáveis com a situação, desde as pequenas equipes que usam esse tipo de colaboração, como a Haas, até as equipes que não têm relações com as grandes, e aquelas que se juntaram sob o mesmo acionista e local. Acredito que é isso que precisamos enfrentar, para que todos estejam bem com a situação”, finalizou o chefe da Mercedes.