F1: Sainz diz que RB20 está na frente, mas acredita no carro da Ferrari

Carlos Sainz, piloto da Ferrari, reconheceu que o Red Bull RB20, parece estar ‘meio passo à frente’ dos rivais, mas deixou claro que não está com medo e não irá jogar a toalha tão cedo.

A Red Bull dominou a temporada 2023 da Fórmula 1, vencendo 21 das 22 corridas, e era esperado que o RB20 para 2024 fosse uma evolução do carro bem-sucedido do ano passado. Mas a equipe surpreendeu com um design mais radical, comparado ao conceito ‘zeropod’ que a Mercedes adotou em 2022 e parte de 2023, porém dessa vez aparentemente bem executado pela Red Bull.

Mesmo com a Ferrari tendo liderado o segundo e o terceiro dias de testes no Bahrein, o paddock acredita que a Red Bull e Max Verstappen têm uma certa vantagem. Helmut Marko, consultor da equipe, estimou a vantagem em três décimos por volta, mas Sainz se mostra confiante no SF-24: “É um carro que faz sentido”, afirmou o espanhol.

“Não sei se são três décimos, um décimo, meio segundo, é impossível saber agora com cargas de combustível e modos de motor diferentes”, disse Sainz sobre a declaração de Marko. “Mas posso dizer que, pelo que parece de fora, eles fizeram um carro muito bom. Pelo design, você já vê que estão meio passo à frente dos outros e tiveram mais tempo para desenvolvê-lo, considerando a vantagem que tinham no ano passado.”

“Por outro lado, acho que tivemos um dia forte no primeiro dia de testes, acho que temos um carro que faz sentido de acordo com nossos números e objetivos. Então, vamos dar um tempo e ver onde estamos”, acrescentou.

Quando perguntado se estava com medo do que viu na Red Bull, Sainz rejeitou a ideia, lembrando que a Ferrari não estava exatamente devagar no Bahrein. Ele marcou o melhor tempo no segundo dia com 1:29.921, enquanto Charles Leclerc terminou o terceiro dia na liderança com 1:30.322. O melhor tempo de Max Verstappen foi 1:30.755.

“Não, medo não é a palavra certa”, afirmou Sainz. “É claro que eles estão muito rápidos. Nós também fomos rápidos. Mas acho que é cedo demais para saber”, concluiu Sainz.