F1: Komatsu confiante que a Haas resolveu seu principal problema

A Haas encerrou os testes de pré-temporada da Fórmula 1 com otimismo. O chefe da equipe, Ayao Komatsu, acredita que o novo VF-24 finalmente corrigiu os ‘defeitos desagradáveis’ que atrapalharam a equipe durante toda a temporada de 2023.

Mesmo com alguns bons desempenhos em sessões de classificação no ano passado, o VF-23 sofria com a degradação excessiva dos pneus nas corridas, o que relegou a Haas à décima (e última) colocação no campeonato de construtores. A atualização introduzida no GP dos Estados Unidos, em outubro, não trouxe os resultados esperados, forçando a equipe a repensar o projeto para 2024.

Com a saída de Guenther Steiner no final do ano passado e a chegada de Komatsu, ex-diretor de engenharia do time, a Haas espera retomar o caminho dos bons resultados. Durante os testes, o foco foi em simulações de corrida para entender a fundo a causa do problema com os pneus. Komatsu acredita que Nico Hulkenberg e Kevin Magnussen terão mais consistência com o VF-24, apesar de ainda haver preocupações com o desempenho puro.

“O carro do ano passado era inconsistente, era bem imprevisível”, disse Komatsu sobre o VF-23. “Dependendo das condições, estado dos pneus, vento ou temperatura da pista, o carro não se comportava de maneira previsível. Já o carro deste ano se comporta de forma mais previsível. É consistente. Sim, ainda estamos com falta de downforce, especialmente em alta velocidade, mas acho que não tem mais aqueles ‘defeitos desagradáveis’.”

Komatsu também considera o VF-24 uma base aceitável para o início da temporada, antes que as atualizações cheguem nas primeiras corridas. O chefe da Haas reafirmou que a prioridade é o desempenho em corrida, e não impressionar no sábado.

“Você precisa decidir qual é o maior problema que quer resolver”, disse ele. “Não adianta se classificar em sétimo e andar para trás no domingo. Prefiro me classificar em décimo quarto, mas ter um carro que podemos correr e chegar ao top 10. Esse é o nosso objetivo.”

“Não vou chegar de repente no próximo fim de semana e começar a otimizar o carro para a classificação. Todo mundo sabe qual é o nosso problema e como isso é frustrante, né? Veja Abu Dhabi, última corrida do ano. Conseguimos classificar em oitavo, o que é fantástico, mas todos nós sabíamos, na noite de sábado, que não poderíamos fazer nada no domingo.”

“Vivemos isso no ano passado. Nesse sentido, não é difícil convencer ninguém. Mas ao mesmo tempo, é claro, todo mundo quer saber o quão rápido é o nosso carro em ritmo de classificação. Mas a mensagem tem que ser clara. Se há uma coisa que precisávamos sair deste teste, era aprender sobre o gerenciamento de pneus e o nosso ritmo em longas passagens. Então, uma vez que você tem um objetivo, é isso que estamos fazendo. Todo o resto é barulho”, encerrou Komatsu.