F1: Debate sobre parar relógio durante bandeira vermelha em treinos agita Abu Dhabi

Um intenso debate surgiu durante o segundo treino livre para o Grande Prêmio de Abu Dhabi, após uma longa bandeira vermelha interromper a sessão. Pilotos da Fórmula 1 estão divididos sobre a ideia de parar o relógio durante bandeiras vermelhas em sessões de treinos livres, semelhante ao que ocorre nas qualificações.

A discussão ganhou força depois que acidentes envolvendo Carlos Sainz e Nico Hulkenberg resultaram em duas bandeiras vermelhas durante o TL2, custando aos pilotos 37 minutos de ação na pista. Isso foi particularmente problemático neste fim de semana, já que muitas equipes optaram por incluir pilotos novatos na sessão, seguindo as regras da categoria.

Daniel Ricciardo, da McLaren, expressou seu desejo de que o relógio seja parado durante bandeiras vermelhas em treinos, uma proposta também apoiada por Nico Hulkenberg. No entanto, Hulkenberg observou que a implementação dessa mudança não é tão simples quanto parece, citando a necessidade de considerar outras séries que correm junto com a Fórmula 1 e os horários de transmissão de TV.

Contrastando com essa visão, Valtteri Bottas, da Alfa Romeo, argumenta que já existe tempo de pista mais do que suficiente na Fórmula 1. Com a tecnologia avançada disponível para as equipes, ele considera que três sessões de treinos livres são excessivas, já que os times têm acesso a uma grande quantidade de informações antes mesmo dos carros entrarem na pista.

Essa divergência de opiniões entre os pilotos destaca a complexidade do gerenciamento de tempo e a logística envolvida na organização de um fim de semana de corrida na Fórmula 1, especialmente considerando a necessidade de equilibrar os interesses de todas as partes envolvidas.