F1: Chefe de turismo em Osaka diz que cidade não desistiu de sediar um GP

A renovação do contrato da Fórmula 1 com Suzuka até 2029, não desanimou o projeto de Osaka para sediar um GP no futuro. Pelo menos é o que garante Hiroshi Mizohata, presidente do conselho de turismo da cidade japonesa.

“Não há impacto sobre nós”, declarou Mizohata ao as-web.jp, após o anúncio do novo acordo com Suzuka. “Suzuka é um grande exemplo para nós e algo a ser respeitado, então esperamos poder coexistir e prosperar juntos. Não tenho desejo de tirar a F1 de Suzuka.”

Mizohata afirmou que a ideia de atrair a categoria para Osaka surgiu há cerca de um ano, com visitas a circuitos como Melbourne, Singapura e Las Vegas. Ele admite que ainda não há negociações formais com a Formula One Management (FOM), mas cita os casos dos Estados Unidos e da Itália como exemplos de países com mais de um GP.

“Investigamos a possibilidade de dois GPs no Japão e concluímos que, com um plano de negócios sólido e seguindo os passos necessários, a chance de sediar o evento não é zero”, afirmou.

O dirigente ainda não definiu se a intenção é construir um circuito permanente ou utilizar trechos públicos para uma corrida de rua. “Pretendemos avançar com nosso plano ao longo do ano e apresentá-lo à FOM”, concluiu Mizohata.

Com dois projetos concorrendo pela F1 no Japão, resta saber qual deles conseguirá convencer a categoria. Enquanto Suzuka tem tradição e história, Osaka oferece a possibilidade de um novo circuito e uma cidade pulsante.