F1: Chefe da Aston Martin diz que GP da Arábia Saudita de 2023 é “caso encerrado”

O chefe da Aston Martin, Mike Krack, considera o GP da Arábia Saudita de Fórmula 1 em 2023 como um ‘caso encerrado’, mesmo com a investigação em andamento sobre o presidente da FIA, Mohammed Ben Sulayem, que teria interferido no resultado daquela corrida.

Ben Sulayem é acusado de interferir para reverter a punição de dez segundos aplicada a Fernando Alonso na corrida. A penalidade foi aplicada porque Alonso cumpriu incorretamente a punição anterior de cinco segundos, por estar fora da sua posição inicial na largada.

A Aston Martin recorreu com sucesso da penalização de dez segundos, devolvendo Alonso ao pódio em terceiro lugar.

Questionado sobre a investigação, Krack afirmou: “Há doze meses, estávamos envolvidos nessa questão. O processo está todo documentado nas decisões dos comissários. Nós exercemos o direito de revisão, apresentamos novas evidências e a penalidade foi retirada. Então, do nosso ponto de vista, o assunto está encerrado e esclarecido.”

Outros chefes de equipe, como Bruno Famin (Alpine) e James Vowles (Williams), também comentaram o caso. Famin acredita que todas as partes na F1 têm a responsabilidade de dar bons exemplos.

“Deveríamos focar no que acontece na pista, no nosso esporte. Essa é a responsabilidade de todos nós, promotores, reguladores, equipes, sermos exemplos”, disse o chefe da Alpine. “Há uma investigação na FIA em curso. Eles têm seu próprio processo e vão segui-lo. Mas cabe a todos nós mostrarmos exemplaridade”, acrescentou.

Vowles, da Williams, afirmou: “Devemos ser julgados não pelo momento presente, mas pelo futuro, quando olharmos para trás. No momento, a investigação está em andamento, o que é o correto”, finalizou.

O F1MANIA.NET acompanha ‘in loco’ o GP da Arábia Saudita com o jornalista Rodrigo França direto de Jeddah.