F1: Alpine espera avanços com novo diretor técnico para 2026

A equipe Alpine de Fórmula 1 está apostando no recém-chegado diretor técnico de unidade de potência, Eric Meignan, para impulsionar a preparação da escuderia para os significativos regulamentos de motores que entrarão em vigor em 2026. Meignan, que se juntou à Alpine em outubro após passagens pela Ferrari e Mercedes, traz uma vasta experiência que será fundamental para a equipe enfrentar o desafio de desenvolver uma unidade de potência adaptada às novas regras, que incluirão a remoção do sistema MGU-H e uma divisão 50/50 entre energia elétrica e um motor V6 turbo alimentado por combustível sustentável.

O anúncio de mudanças abrangentes na Alpine ocorreu durante o fim de semana do Grande Prêmio da Bélgica, com a saída do então chefe da equipe Otmar Szafnauer, do Diretor Esportivo Alan Permane, enquanto Pat Fry foi anunciado como o novo Diretor Técnico da Williams. A chegada de Meignan é vista como uma adição oportuna para desafiar e impulsionar a equipe técnica da Alpine, especialmente em Viry-Châtillon, onde a unidade de potência é desenvolvida.

Bruno Famin, chefe interino da equipe, expressou entusiasmo com a chegada de Meignan: “Estamos muito felizes em receber Eric em Viry e acreditamos que ele trará muito para a equipe, já que é um profissional experiente em Fórmula 1 e irá desafiar nossa equipe a se preparar melhor para a próxima geração de unidades de potência em 2026.”

Famin, que tem se dividido entre os departamentos de chassi em Enstone e a fábrica de unidade de potência em Viry, espera que a nomeação de Meignan alivie sua carga de trabalho e traga um suporte técnico sólido, permitindo que ele se concentre em outras áreas essenciais da equipe.

A equipe francesa havia reivindicado anteriormente que seus motores Renault estavam em uma desvantagem de 30 cavalos de potência em comparação com os rivais e esperava que o esporte introduzisse medidas de equalização de motores. No entanto, a Alpine terá que lidar com qualquer déficit após a oposição de concorrentes, incluindo Mercedes e Ferrari, que alegaram que as preocupações da equipe francesa eram exageradas e, portanto, não mereciam consideração.

Com a temporada de 2026 se aproximando rapidamente, a Alpine tem agora uma peça chave para avançar na competição tecnológica que define a Fórmula 1, enquanto busca encurtar a lacuna de desempenho com as principais equipes do grid.