F1: Albon admite conversas com outras equipes, mas garantiu fidelidade à Williams

Alexander Albon revelou que conversou com outras equipes da Fórmula 1 antes de renovar seu contrato com a Williams. A equipe de Grove anunciou a renovação de contrato de Albon por várias temporadas, garantindo sua permanência até a mudança de regulamento prevista para 2026.

O bom desempenho do piloto britânico-tailandês em 2023 o colocou na mira da Mercedes, que busca um substituto para Lewis Hamilton para 2025. Além disso, a Red Bull supostamente estaria interessada em seu retorno.

Apesar de ter contrato até 2025, Albon optou por retirar seu nome do mercado de pilotos e demonstrar fidelidade à Williams.

“Não vou dizer com quais equipes conversei, mas foram algumas”, afirmou Albon. “No final, a Williams foi a que melhor se encaixou em mim. Tive muito tempo para fazer uma escolha e analisei tudo com cuidado. Parece que atualmente todos estão esperando o momento certo para se movimentarem no mercado. Para mim, era importante fechar o acordo logo, focar em construir uma história e no futuro da equipe”, acrescentou.

Havia rumores de que a Red Bull teria pedido uma opção de compra no contrato de Albon, o que o colocaria na fila para substituir Sergio Perez. No entanto, Albon reiterou seu compromisso com o projeto da Williams de voltar ao topo da F1 e negou que a possibilidade de retornar à Red Bull o tenha deixado em dúvida.

“É tudo sobre a jornada”, disse Albon, quando questionado sobre a possibilidade de esperar por uma vaga na Red Bull. “Focar em ‘Se’, ‘Talvez’, é incerto, especialmente em relação a essas vagas de ponta. Só existe uma na Mercedes. Muita coisa teria que acontecer.”

Albon acredita que definir seu futuro logo no início da temporada permitirá que ele e a Williams se concentrem em melhorar a competitividade da equipe. O time não conseguiu manter o ímpeto da temporada passada e não pontuou em nenhuma das seis primeiras corridas deste ano.

Questionado sobre se em algum momento hesitou em renovar com a Williams, Albon respondeu: “Não. Claro, conversei com outras equipes para manter minhas opções em aberto. Mas assinar um contrato em maio é muito cedo.”

“O foco era seguir em frente. Temos um longo caminho pela frente, não vamos nos esconder disso. Agora é bom poder pensar no restante do ano e focar nas áreas que precisamos mudar e desenvolver na equipe e no carro. Como piloto, quais aspectos posso ajudar a melhorar? Durante as negociações de contrato, esse tipo de foco se perde um pouco. É tudo sobre o presente e o desempenho nos finais de semana de corrida. Agora, com a estabilidade do contrato, há um foco real em construir a equipe. James (Vowles, chefe da equipe) já disse isso antes, ele quer que eu faça parte dessa jornada e desse projeto. Acredito que meu papel aqui vai além de ser apenas um piloto”, completou Albon.

O F1MANIA.NET acompanha ‘in loco’ todas as atividades do GP da Emília-Romanha, diretamente de Ímola, com o jornalista Rodrigo França.