F1: Verstappen critica regras de superlicença ao comentar sobre caso Antonelli

Max Verstappen expressou descontentamento com as regras atuais para a obtenção da superlicença na Fórmula 1, em meio às discussões sobre a entrada antecipada de Andrea Kimi Antonelli na categoria. Antonelli, atualmente com 17 anos e piloto da Fórmula 2, é visto como uma promessa para o futuro da F1, mas enfrenta barreiras regulatórias que impedem sua participação antes de completar 18 anos.

Essa regra foi estabelecida após Verstappen, piloto da Red Bull, fazer sua estreia na F1 com 17 anos. O holandês criticou a regulamentação por considerá-la um obstáculo para jovens talentos que, como Antonelli, já demonstraram capacidade e acumulado os pontos necessários para a superlicença, mas são impedidos de competir por não atenderem ao critério de idade.

“Essa regra foi introduzida por causa de mim, mas, sinceramente, ela não impede o que deveria”, disse Verstappen, destacando que a restrição pode privar a Fórmula 1 de jovens talentosos prontos para competir no mais alto nível. “Se alguém tem 17 ou 18 anos e talvez apenas 20 pontos, mas é muito rápido, por que não pode competir na F1?”

A situação de Antonelli é particularmente frustrante para Williams, que está interessada em contar com o jovem piloto, atualmente vinculado à Mercedes. Para que Antonelli possa competir, uma dispensa especial da FIA seria necessária, o que colocou a equipe e o piloto em uma posição delicada, dependendo de decisões regulatórias.

Verstappen argumentou que a regra da idade para a superlicença deveria ser mais flexível, permitindo que talentos excepcionais como Antonelli possam avançar com base em mérito, não apenas em conformidade com a norma etária. Essa posição destaca o debate contínuo sobre como a Fórmula 1 pode equilibrar a regulamentação com a necessidade de incentivar e promover novos talentos no esporte.