F1: Famin justifica e defende saída de Ocon da Alpine

O chefe da equipe Alpine, Bruno Famin, defendeu a irritação que demonstrou após a batida de Esteban Ocon com Pierre Gasly no GP de Mônaco de Fórmula 1, e a decisão de encerrar a parceria com Ocon após o final da atual temporada.

Famin concedeu entrevista logo após o acidente de Ocon com o companheiro de equipe Gasly, quando Ocon tentou uma ultrapassagem imprudente na Portier ainda na primeira volta da corrida. A irritação do dirigente era evidente, ameaçando o piloto francês com ‘consequências’ por desobedecer ordens pré-corrida de não atacar Gasly no começo da prova.

No início desta semana, a Alpine confirmou a saída de Ocon após cinco anos, após o término da temporada em Abu Dhabi, em dezembro. “Eu estava certo em ficar chateado, porque para a equipe foi muito ruim”, disse Famin à Sky Sports F1. “Sem a bandeira vermelha, Pierre seria o último, pois teria que parar para trocar o pneu furado. Foi péssimo.”

Famin destacou que as instruções pré-corrida foram claras para todos. “Nunca falo com os pilotos individualmente para esse tipo de coisa. Quando há ordens de corrida, conversamos juntos para garantir que todos tenham a mesma informação, que todos as ouçam ao mesmo tempo. As instruções estavam claras antes de Mônaco, assim como na corrida anterior.”

Apesar de especulações sobre o afastamento imediato de Ocon, Famin descartou essa possibilidade para o GP do Canadá. O francês, no entanto, cedeu seu lugar a Jack Doohan no TL1.

“Nunca cogitamos isso”, disse Famin. “Somos profissionais. Mesmo que algo ruim aconteça, conversamos, discutimos, fazemos o necessário para melhorar a situação para a próxima corrida, mas puni-lo com um afastamento nunca esteve em pauta.”

A saída de Ocon já era uma possibilidade antes mesmo do incidente em Mônaco. Famin acredita que a parceria seguiu seu curso natural. “Com Esteban, já conversamos por meses”, afirmou Famin. “Estava bem claro que estávamos chegando ao fim do ciclo. Ele está conosco há cinco anos, e ainda restam dezesseis corridas até o final da temporada. Tenho certeza que continuaremos a fazer um bom trabalho juntos. Confio no profissionalismo dele e faremos o nosso melhor para alcançar os melhores resultados possíveis.”

O dirigente indicou a prioridade para a próxima dupla de pilotos, com o reserva Jack Doohan cotado para formar parceria com Gasly. “O relacionamento não importa, o profissionalismo sim. Precisamos de pilotos profissionais. Eles precisam trabalhar juntos. Faz parte do trabalho conseguir se entrosar com o companheiro de equipe para render o melhor para a equipe”, encerrou Famin.