F1: Brown acredita que ambiente interno tóxico pode afastar patrocinadores da Red Bull

O CEO da McLaren, Zak Brown, sugeriu que o clima interno conturbado na Red Bull Racing, pode afastar potenciais patrocinadores da equipe de Fórmula 1.

A Red Bull já enfrentou turbulências no início da temporada com a investigação sobre o chefe do time, Christian Horner. Apesar de Horner ter sido inocentado das acusações de comportamento inadequado (em investigação realizada pela rópria equipe), o pai de Max Verstappen, Jos, chegou a afirmar que a equipe poderia ‘implodir’ com a continuidade da presença de Horner.

Mesmo liderando o campeonato com seis vitórias em nove corridas, a Red Bull sofreu outro baque recente com a notícia da saída do renomado projetista, Adrian Newey, que deixará a equipe em março de 2025.

Brown reiterou que a McLaren vem recebendo um número crescente de currículos de funcionários ligados à Red Bull, e acredita que a saga interna da equipe rival ainda não chegou ao fim.

“A Red Bull é um ambiente bem tóxico no momento”, disse Brown ao podcast Hot Pursuit da Bloomberg. “E tem mais por vir. A saída de Newey é importante porque acho que muita gente na Red Bull começou trabalhando com ele. Eu já mencionei que existem muitos currículos circulando por aí. Isso acontece sempre, mas dá para perceber um nível maior de desconforto. Além disso, acho que será mais difícil com patrocinadores no futuro, porque eles vão avaliar com cuidado a imagem com a qual se associam. É uma situação complicada”, acrescentou.

Mesmo com Verstappen tendo contrato até 2028, a investigação envolvendo Horner e o subsequente clima interno, levaram a questionamentos sobre a permanência do piloto holandês.

Brown continuou: “Tem todo o drama do Verstappen. Ele fica ou sai? Max tem contrato, só que o pai dele é bem franco. A Red Bull é uma grande equipe de corrida, mas está desestabilizada. Dá para ver isso com a saída de Newey. No entanto, nunca dá para descartá-los completamente.”

“Como eu disse, eles são uma equipe incrível, mas na minha opinião, não estão tão fortes quanto antes. Olhando para quem tem o melhor caminho de visibilidade e momento agora, são Ferrari e McLaren. Mas as coisas podem mudar rapidamente, então temos que manter os pés no chão”, completou o CEO da McLaren.