FIA anuncia novas diretrizes para colaboração entre equipes da F1

A FIA revelou planos de atualizar suas orientações para garantir que a colaboração entre equipes de Fórmula 1 não viole as regulamentações do esporte. Essa iniciativa surge em meio ao aumento da parceria técnica entre AlphaTauri e Red Bull Racing, que ajudou a AlphaTauri a subir do 10º para o 8º lugar no Campeonato de Construtores.

A equipe de Faenza, que será renomeada em 2024, confirmou que “usará tantas sinergias com a Red Bull Racing quanto permitido pelas regulamentações”. Isso levantou preocupações entre as equipes rivais sobre a possibilidade de as duas equipes trabalharem juntas para obter vantagens competitivas.

Guenther Steiner, chefe da equipe Haas, questionou se a decisão de permitir que a marca Red Bull possua duas entradas na F1 deveria ser permitida. “Acho que, certo ou errado, isso precisa ser discutido,” disse Steiner.

Nikolas Tombazis, chefe de monopostos da FIA, detalhou como o órgão governamental realiza testes mais rigorosos contra equipes que compartilham proximidade. “Checamos equipes que estão em proximidade uma com a outra muito mais de perto do que equipes completamente independentes,” disse Tombazis à Autosport. “Isso tem sido uma preocupação não apenas entre as duas equipes mencionadas, mas também entre outros pares de equipes.”

A FIA confia que atualmente não há sinais de colaboração direta entre AlphaTauri e Red Bull. Tombazis também abordou o desafio de garantir que as equipes estejam bem segregadas e anunciou que a FIA emitirá em breve orientações adicionais para informar às equipes como podem provar que tal colaboração não está acontecendo.

Tombazis esclareceu que os procedimentos da FIA são suficientemente rigorosos para estar cientes se as equipes estivessem experimentando direções de desenvolvimento separadas para convergir em uma solução ideal. “Isso é obviamente altamente ilegal,” ele disse. “Não acho que algo assim esteja acontecendo no momento. Nós verificamos e temos um processo para verificar. É fácil? Não, não estou dizendo que é fácil, é sempre um desafio.”

Além disso, Tombazis destacou que o maior perigo na discussão reside com equipes que trabalham independentemente, mas que teoricamente poderiam se corresponder virtualmente. “Você pode ter duas equipes colaborando, uma no Reino Unido e outra na Argentina, e se duas equipes quiserem se comunicar contra os regulamentos, ter chamadas no Zoom e os engenheiros conversarem entre si, isso é bastante viável,” explicou ele.