F1: Wolff não entendeu disparidade no desempenho de alguns pilotos em uma mesma equipe

Toto Wolff, chefe da Mercedes, afirmou que é difícil compreender a disparidade constante e em evolução entre seus pilotos, ao longo da temporada 2023 da Fórmula 1.

Lewis Hamilton terminou o ano classificado cinco posições e 60 pontos à frente de George Russell, mas os dois estavam bem nivelados quando se tratava de ritmo de volta única.

No entanto, embora a dupla britânica tenha empatado em 11 a 11 no confronto direto de sessões de classificação, os dois pilotos da Mercedes só acabaram próximos no grid em seis ocasiões.

Em meio às dificuldades da equipe alemã com seu problemático carro W14, a Mercedes encontrou mais problemas para garantir que tanto Hamilton quanto Russell maximizassem um determinado fim de semana. Essa tendência foi exposta novamente na etapa final em Abu Dhabi, com Russell garantindo um lugar no pódio, enquanto Hamilton saiu no Q2 e ficou 24s atrás, em nono.

No entanto, Wolff afirma que os destinos contrastantes dos dois pilotos da Ferrari mostraram que a Mercedes não foi a única equipe a enfrentar esse tipo de problema durante a temporada passada.

“É simplesmente difícil compreender que bons pilotos em várias equipes tenham essas oscilações de desempenho”, disse Wolff. “Você viu isso neste fim de semana (Abu Dhabi) com Carlos (Sainz) e Charles (Leclerc), você viu isso com George e Lewis, Oscar (Piastri) e Lando (Norris), na McLaren, e o mais óbvio é Sergio (Perez) e Max (Verstappen). Perez não é um segundo mais lento que Max, então o que é isso? Porque vimos isso oscilando nas duas direções.”

Tendo ficado consideravelmente atrás de Hamilton tanto nos Estados Unidos quanto na Cidade do México, Russell atribuiu o padrão ao piloto, que estava em desvantagem tentando compensar demais.

“Isso é definitivamente algo que Lewis e eu notamos ao longo do ano, não acho que alguma vez estivemos no mesmo ritmo”, disse Russell no mês passado. “Acho que nos últimos dois anos nosso histórico de qualificação é quase o mesmo, mas ou um piloto está 0,4s ou 0,6s à frente ou é o outro.”

“É algo que estamos tentando entender, eu acho que, muitas vezes, quando você está um pouco atrás, como piloto, você está pressionando para fechar essa lacuna, e às vezes, ao fazer isso, você dá um passo para trás, em vez de fechar naturalmente a lacuna, então é algo que estou tentando descobrir sozinho, e tenho certeza que ele (Hamilton) também está tentando descobrir”, acrescentou.

No entanto, Wolff acredita que o problema se originou da delicadeza dos pneus Pirelli, deixando os pilotos suscetíveis a cair fora da janela ideal de operação.

“Então, fundamentalmente, eu acho que tudo gira em torno da degradação dos pneus”, continuou Wolff. “Se você é capaz de ter o carro em um ponto ideal, uma plataforma estável com a qual você começa a trabalhar no início do fim de semana, então você pode extrair desempenho. Eu acho que se não for assim, simplesmente não há desempenho, você está caindo do penhasco, literalmente. Então, não tenho explicação para isso. Acho que o único este ano que entendeu como pilotar com esses pneus foi Max”, encerrou Wolff.