F1: Russell reflete sobre GP do Catar; estratégia, colisão e condições extremas

No recente Grande Prêmio do Catar, os pilotos da Mercedes, George Russell e Lewis Hamilton, tiveram uma estratégia pré-corrida de colaboração. Com Russell e Hamilton posicionados em segundo e terceiro no grid, atrás apenas do Campeão Mundial Max Verstappen, a equipe alemã tinha grandes esperanças para a corrida.

A Mercedes optou por estratégias distintas para seus pilotos: enquanto Hamilton iniciou a corrida com pneus Soft, Russell escolheu o composto Médio, o mesmo de Verstappen. No entanto, um incidente na primeira curva entre os dois pilotos da Mercedes resultou em um contratempo significativo para a equipe.

Após o incidente, Russell, que conseguiu se recuperar e terminar em quarto, expressou sua frustração: “Foi uma grande oportunidade perdida para ambos”, e acrescentou: “Nosso objetivo é terminar em P2 no Campeonato de Construtores. A luta não era entre nós, mas sim contra a Ferrari.”

Apesar do revés, Russell permanece otimista sobre o desempenho da Mercedes nas próximas corridas. Ele acredita que a equipe tem o ritmo para desafiar a McLaren e destacou a surpreendente proximidade de Piastri a Verstappen no final da corrida.

Além dos desafios estratégicos, o clima extremamente quente e úmido no Circuito de Lusail trouxe dificuldades adicionais para os pilotos. Russell descreveu sua experiência durante a corrida como desafiadora, comparando-a ao treinamento intenso em uma sauna. Ele mencionou: “Por volta da volta 20, meu visor só recebia ar quente. Dentro do cockpit, a temperatura ultrapassava os 50°C. Com o traje de corrida e a fisicalidade do carro, foi brutal.”

Ao refletir sobre o incidente com Hamilton, Russell enfatizou o respeito mútuo entre os dois pilotos e agradeceu a Hamilton por absolvê-lo de qualquer culpa pelo contato.