F1: Norris diz que sabia dos problemas do MCL60 ‘três meses atrás’

Lando Norris deu uma visão pessimista da temporada 2023 da Fórmula 1 para a McLaren, afirmando que já sabia que eles teriam um começo difícil, três meses atrás.

A McLaren foi uma das maiores decepções da primeira corrida de 2023 no Bahrein, com os dois pilotos enfrentando problemas que os obrigaram a abandonar (Oscar Piastri), ou ir aos boxes seis vezes, antes de também abandonar (Lando Norris).

Não foi apenas com a confiabilidade que a McLaren teve problemas, já que o MCL60 também não tinha boa velocidade, com Oscar Piastri saindo da qualificação no Q1, enquanto Norris não conseguiu chegar ao Q3.

O fraco desempenho no Bahrein, veio depois de muitos comentários pessimistas após o primeiro teste do carro na pista na pré-temporada, com o novo chefe da equipe, Andrea Stella, afirmando que o carro não conseguiria disputar o almejado P4, pelo menos por enquanto.

Ainda faltam 22 corridas, o que dá à McLaren muito tempo para mudar as coisas, mas com uma série de problemas no novo carro, parece improvável que haja uma solução rápida.

“Eu acho que é uma mistura de duas coisas”, disse Norris à imprensa, antes do fim de semana de corrida no Bahrein e dos problemas do MCL60. “Um é o equilíbrio geral e o outro é o downforce geral.”

“O tipo geral de downforce corrige, digamos 90% dos problemas. Mas para dar esse passo final, há outras coisas em cima disso. Não sei as especificidades dos números e assim por diante. Acho que esse é o ponto. Mas temos limitações semelhantes às que tivemos no ano passado”, acrescentou.

Sobre quando Norris percebeu pela primeira vez que o início da temporada seria de dificuldades, ele respondeu: “Três meses atrás.”

“Acho que sabíamos exatamente o carro que teríamos, quanto downforce estávamos encontrando e assim por diante”, disse o piloto de 23 anos. “Portanto, você sempre tem um entendimento razoável de onde seus próprios carros estarão, mas não sabe o que todo mundo vai fazer. Acho que somos o quinto melhor time, ou talvez o sexto, o sétimo, tanto faz. Queremos dar muitos passos à frente”, afirmou Norris.

“Queremos terminar o ano como uma das quatro primeiras equipes. Acho que isso nos dará um grande impulso de confiança para 2024, quando teremos parte do carro configurada no novo túnel de vento”, finalizou.