F1: Coulthard revela ter recusado oferta da Ferrari enquanto corria na McLaren

O ex-piloto de Fórmula 1, David Coulthard, revelou em uma entrevista no podcast ‘Formula For Success’, que durante sua passagem pela McLaren, foi chaado para uma reunião com Jean Todt, então chefe da equipe Ferrari. No entanto, as condições contratuais apresentadas pela Scuderia, incluindo uma cláusula que o obrigaria a ceder posição para Michael Schumacher em qualquer situação, fizeram com que Coulthard recusasse a oferta.

Coulthard, que correu pela McLaren de 1996 a 2004, conqusitando doze de suas treze vitórias na F1 durante esse período, permaneceu leal à McLaren. A equipe italiana, no entanto, conseguiu atrair sua atenção, resultando nessa reunião com Todt.

No entanto, as cláusulas propostas pela Ferrari teriam colocado muito claramente Coulthard como piloto número dois, obrigando-o a ceder sua posição para Schumacher, mesmo se estivesse entre os quatro primeiros. Schumacher, que se tornou um ícone da Ferrari durante sua era de domínio na F1, do final dos anos 90 até o início dos anos 2000, conquistou cinco títulos de pilotos e contribuiu para seis títulos de construtores consecutivos para a Ferrari.

Questionado por Eddie Jordan, ex-chefe da equipe Jordan de F1 e co-estrela do podcast, se havia conversado com outras equipes enquanto estava na McLaren, Coulthard respondeu: “Sim, encontrei-me com Jean Todt em Paris em seu apartamento, para discutir a possibilidade de pilotar para a Ferrari.”

“Minha lembrança do contrato oferecido era basicamente um contrato de piloto número dois, que apesar do que qualquer pessoa possa concluir agora sobre minha carreira, naquela época, ainda sentia que não assinaria nada que não fosse uma oportunidade igual.”

“Então, essencialmente, se eu estivesse em quarto e Michael em quinto, eu teria que ceder a posição, e isso ia até mesmo se eu estivesse liderando uma corrida. E eu simplesmente não consegui concordar em assinar isso”, disse ele.

“Todo o crédito a Ron (Dennis, ex-chefe da mcLaren) e à equipe McLaren, o contrato que eles me ofereceram sempre foi de igualdade de oportunidades. Embora houvesse uma cláusula que dissesse que você tinha que aceitar as instruções do chefe da equipe, em qualquer circunstância que fosse, em grande parte, me foi dada uma oportunidade justa e igual para seguir em frente e tentar desenvolver minhas habilidades da melhor forma possível.”

“Então, essa foi a única equipe com a qual realmente conversei durante meus nove anos na McLaren”, disse Coulthard, que posteriormente se tornou o primeiro piloto na Red Bull, correndo pela equipe até sua aposentadoria no final de 2008.