F1: Allison é mais um crítico dos atuais carros da categoria

James Allison, diretor técnico da Mercedes, foi mais um que criticou a atual geração de carros da Fórmula 1. Ele acredita que apesar do domínio de Max Verstappen na temporada passada, nem mesmo o holandês esteja plenamente satisfeito com os carros atuais da categoria.

Desde a introdução das novas regras em 2022, muito se discutiu sobre os problemas iniciais de ‘porpoising’ (efeito que fazia os carros ‘saltarem’, principalmente nas retas), mas para Allison, as limitações atuais vão além disso: “O carro é sólido, claro. Mas você consegue brincar menos com a configuração, algo fundamental para o prazer de pilotar”, afirmou à Motorsport-Total.com.

Para o veterano engenheiro, os carros atuais carecem da flexibilidade de seus antecessores: “Há alguns anos, as possibilidades de ajuste eram maiores. Isso deixava a pilotagem mais dinâmica, e eu diria, até mais divertida”, acrescentou.

Apesar do domínio de Verstappen em 2023, Allison questionou se a aparente facilidade das vitórias dele com o RB19, esconde problemas estruturais da categoria: “Max venceu com uma margem histórica, então obviamente ele tem motivos para amar o carro. Mas eu me pergunto se ele diria que é um carro incrível. Não é o mesmo que víamos há pouco tempo”, concluiu.

Essas críticas de Allison geram um debate. Será que a busca por disputas mais próximas e o foco na segurança sacrificaram parte da essência da Fórmula 1, a arte de domar carros sensíveis e velozes? A discussão promete se estender, e talvez até gerar alguma controvérsia.