Digo Baptista lamenta falta de sorte da Stock Car no Velocitta

A sorte não esteve ao lado de Rodrigo Baptista na 10ª etapa do ano da Stock Car. No autódromo do Velocitta, em Mogi Guaçu, o piloto dono do Chevrolet Cruze #3 sentia que tinha o carro para brigar pelo pódio, mas uma sequência de contratempos acabou com as esperanças de Digo.

As sessões de treino livre foram promissoras. Digo tinha um carro equilibrado e bem acertado pela KTF Sports. O piloto chegou a registrar o 8º melhor tempo durante o TL1 e estava com a expectativa de uma boa classificação.

“O carro tinha um ritmo muito bom. Alguns mínimos ajustes para se fazer, mas no geral muito rápido. Sempre gosto de ressaltar a evolução da equipe. Trabalhamos forte para melhorar o desempenho e o carro respondeu bem. Senti que era possível chegar ao Q3 na classificação”, disse Rodrigo.

Mas as condições não ajudaram. Digo estava no primeiro grupo a ir para a pista durante a classificação. Faltando 20 minutos para o Q1, a chuva chegou forte ao autódromo e deixou o traçado completamente molhado. O piloto foi obrigado a se classificar com pneus de chuva enquanto o segundo grupo do Quali pegou a pista seca e com pneus slick.

“Uma pena. É muita falta de sorte. O carro estava muito rápido e a classificação era promissora. Não tem como comparar as condições da pista. Com slick, no seco, os tempo caem cerca de 8 segundos”, afirmou Digo.

Largando em 20º no domingo, e com a pista seca, Digo tinha ritmo forte na Corrida 1 e terminou na 15ª colocação. Já na Corrida 2, o piloto foi tocado e teve problemas na ponteira do escapamento. Com isso, teve que abandonar.

“Largar atrás é muito difícil nessa categoria. Nem sempre os pilotos se respeitam e muitas vezes isso acaba com a corrida de alguém. Tenho propriedade para falar porque sofri muito com isso esse ano. É esperar que não vá se repetir, ainda que seja difícil de acreditar”, lamentou Digo.

A próxima etapa da Stock Car acontece no dia 26 de novembro, no Autódromo Zilmar Beux, em Cascavel (PR).