Neugebauer/Barrichello acerta estratégia e vence Porsche Endurance Challenge em Portugal

Werner Neugebauer e Rubens Barrichello são os grandes vencedores da etapa de abertura da Porsche Endurance Series. Nos 300km de Estoril realizados neste sábado (22), a dupla do Porsche #8 tiveram de acertar a estratégia para subir ao degrau mais alto do pódio em Portugal

No grid, nomes estrelados do esporte a motor mundial. Além de grandes conhecidos no país, competidores que fizeram história ao redor do mundo como Tony Kanaan, o campeão da Fórmula E Antonio Félix da Costa e vencedor de GP da MotoGP.

Para a disputa do dia, quem alinhou na pole-position do pelotão era Werner Neugebauer com Rubens Barrichello como companheiro. Quem fechou a primeira fila de saída era Marçal Müller que traz Enzo Elias de volta ao grid da Porsche Cup.

São três janelas de pit-stops onde precisa ser feita tanto a troca de pneus quanto de competidores. As paradas devem começar nas voltas 16, 35 e 53, cada uma das janelas dura oito minutos e a partir da entrada dos boxes, cada pit deve durar de 6 minutos.

Regressiva iniciada, corrida começada, mas atrás do safety-car. Então, quando o carro foi aos boxes, quem fez ótimo salto foi Marçal, que tomou a primeira colocação, seguido por Werner e Miguel Paludo em terceiro. Nos metros à frente, Neugebauer tentou dar o troco, mas sem sucesso.

Na terceira volta, Leandro Martins foi o primeiro a ir aos boxes, mas não entra entre as obrigatórias, mas mais como emergencial. Isso porque o piloto estava sem o pneu dianteiro esquerdo, precisando lidar com a situação.

Primeira punição entregue pela direção de prova: Rodrigo Mello foi penalizado por queima de largada. Com isso, o competidor do Porsche #29 teria de passar pelos boxes com velocidade de 50km.

Seis voltas feitas, 66 restantes, e a ordem na pista era Marçal na primeira colocação, seguido por Neugebauer, Paludo, Antonio Féllix da Costa e Pipe Bartz completando as cinco primeiras colocações. Na classe Challenge, Antonella Bassani liderava.

Safety-car precisou, então, ser acionado duas voltas mais tarde. Enquanto Leonardo Herrmann, que largou da pole-position na Challenge, estava parado na caixa de brita da área de escape, CaioCastro vinha se arrastando aos boxes por conta do pneu esquerdo traseiro estourado e soltando bastante fumaça.

Décima volta e relargada autorizada. Werner tentou dar o salto em cima de Müller, mas sem sucesso. Mais atrás, Franco Giaffone foi tocado na traseira por Georgios Frangulis, rodou e ficou parado na pista, retornando um pouco afobado para a disputa.

Pouco depois, Leo Sanchez e Carlos Campos também acabaram se encontrando, com Campos rodando, mas conseguindo se manter na pista. Leo, enquanto isso, tentava sair da área de escape.

Enquanto Marçal conseguia se manter na primeira colocação, Neugebauer começou a precisar fazer pilotagem defensiva. O motivo é que Da Costa chegou e começou a dar os ataques em cima do companheiro de Rubens Barrichello.

Não demorou para que o safety-car ter de voltar para a pista – o motivo foi para a retirada do carro de Sanchez. E neste momento, Giaffone conseguiu retornar para a disputa com o carro reserva da Porsche Cup.

Corrida já passou pela relargada e após algumas voltas, Da Costa enfim conseguiu dar o bote definitivo em cima do Porsche #8 e assumiu a vice-liderança da corrida. Müller seguia em primeiro, com Paludo e Pipe Bartz completando as cinco primeiras colocações. Neste momento, aberta a primeira janela de paradas.

E o piloto da casa não parava por aí. O campeão da FE começou a ameaçar a liderança de Marçal e não demorou muito para colocar de lado e deixar o adversário para trás, se tornando o terceiro líder diferente da corrida em pouco mais de 30 minutos de corrida.

Com apenas 2 minutos para encerrar a rodada de paradas, a maior parte dos competidores já estava nos boxes para as trocas de pilotos e de pneus. Dos carros da ponta, Neugebauer ainda não havia feito o pit-stop para que Rubens assumir – o piloto entrou com pouco mais de 1 minuto para o final.

Com 20 voltas, os carros começavam a voltar para a pista. Quem retornou puxando o pelotão foi Enzo Elias, mais uma vez de volta à ponta, com Alan Hellmeister na segunda colocação. Dudu Barrichello completava as três primeiras colocações do momento. Na Challenge, paulo Souza/Galid Osman liderava.

Quando saiu dos boxes, então, Rubinho assumiu a primeira colocação e voltava o Porsche #8 para a primeira posição. Mas o ex-F1 precisou lidar com os ataques de Enzo e, junto, de Hellmeister.

Restavam 50 voltas para a bandeira quadriculada e Rubens puxava a fila, com Elias, Alan, Dudu Barrichello e Josimar Junior no top-5. Na volta 33, então, o primeiro segmento encerrava, distribuindo pontos aos pilotos.

Enzo, então, sem se importar quem estava pilotando o carro da ponta, deu o bote para retomar a primeira colocação. Já Edu Menossi, que recebeu o carro na primeira colocação de Da Costa, agora estava em 15º.

Quem também vinha escalando o pelotão era Dudu Barrichello. O mais velho do clã Barrichello conseguiu dar o bote em cima de Hellmeister por dentro e conseguiu consumar a passagem para tomar o terceiro posto. Agora, tinha a missão de perseguir o pai, que estava na vice-liderança.

Com 30 voltas feitas, a ordem na pista estava com Elias na primeira colocação, seguido por Rubinho, Dudu Barrichello, Hellmeister e Betinho Gresse, sob investigação, completando as cinco primeiras colocações. Na Challenge, Bruno Bonifacio puxava a fila.

Encerrado primeiro segmento da corrida e Enzo Elias ficou com a vitória, embolsando 26 pontos. Na Challenge, Bertuccelli estava na primeira colocação. Dois giros mais tarde, aberta a segunda janela de paradas em Estoril.

Neste momento, no encerramento da janela de paradas, os 11 primeiros colocados estavam fazendo as trocas.

Encerrada todas as paradas do pelotão e Müller retomou a primeira colocação do pelotão. Neugebauer, Pipe Bartz, Paludo e Lineu Pires estavam completando o rol dos cinco primeiros. Mas não por muito tempo, pois Miguel conseguiu deixar Pipe para trás.

A corrida entrava em sua reta final com menos de 30 voltas para a bandeira quadriculada. Müller estava em primeiro com 0s399 de vantagem para Werner, segundo. Paludo, Pires e Pipe Bartz no top-5, com Sadak Leite liderando na Challenge.

Quando Antonio Felix da Costa deixou o carro pela primeira vez, estava na primeira colocação. Agora, aparecia na décima colocação para escalar o pelotão. Enquanto isso, na ponta, mudança de liderança com Werner deixando Marçal para trás e voltar mais uma vez para a liderança da corrida.

Apesar de Neugebauer ter reassumido o primeiro posto do pelotão, Müller não estava feliz. Com isso, começou mais uma vez as investias em cima do Porsche #8 para tentar retomar a ponta.

Aberta a última rodada de pit-stops e Marçal não demorou para entrar nos boxes para fazer a troca final. Enquanto isso, líder da prova, Neugebauer decidiu estender um pouco mais o stint e não foi aos boxes. Outro que também entrou foi  Paludo, para Hellmeister encerrar a corrida, assim como Pipe dar espaço para Dudu.

Terminando a última rodada de pit-stops e quem estava em primeiro na pista era Elias, que teria missão de encerrar a disputa para o Porsche #544. Hellmeister vinha logo na sequência, mas sem ameaçar o ponteiro – enquanto isso, Rubinho deixava os boxes e restava ver em que posição retomava.

Com ritmo impressionante, então, Barrichello saltou para a liderança com 15 voltas para o encerramento. O competidor tinha nada menos que 2s8 de vantagem para Enzo, segundo. Na Challenge, Fabio Carbone, dupla de Israel Salmen, estava em primeiro.

Mais um carro de segurança na pista. Dessa vez, com 11 voltas para a bandeira quadriculada, quando Barrichello tinha boa vantagem de quase 4s, foi um abandono de Miguel Mariotti que provocou a intervenção do safety-car.

Relargada autorizada e Elias estava colado na traseira de Rubinho. Quem tentou se aproveitar da situação foi Hellmeister para a ultrapassagem dupla, mas teve de se contentar com a terceira colocação. Enquanto isso, na Challenge, Pietro Rimbano brigava com Carbone pela primeira colocação.

A briga pela sexta colocação estava bastante emocionante. Thiago Camilo começou a dar grandes investidas em cima de Razia para tentar tomar o posto, mas via a porta fechada. Entretanto, em ataque certeiro, não apenas passou como trouxe Guilherme Salas junto, que também deixou o adversário para trás.

Corrida quase no final, mas Enzo Elias tentava ainda assumir a primeira colocação. O companheiro de Marçal chegou de vez com duas voltas para o encerramento, estando a menos de 0s5 do ponteiro. Enquanto isso, Hellmeister ficou um pouco mais para trás.

Bandeira quadriculada e Neugebauer/Barrichello é a dupla vencedora dos 300km de Estoril, primeira vitória geral de Rubinho na Porsche Endurance. Müller/Elias, Paludo/Hellmeister, Dudu Barrichello/Bartz e Lucas Salles/Rafael Suzuki completam o pódio.

Na classe Challenge, Sadak Leite/Carbone, Rimbano/Betuccelli e Souza/Bonifacio fazem o top-3.