MotoGP: Martín reconhece que “querer humilhar adversários” custou título de 2023

Depois do fim do campeonato mundial de 2023, Jorge Martín analisou suas últimas atuações no campeonato que chegou até a última prova disputando ponto a ponto com Francesco Bagnaia. Segundo ele, a arrogância de ser o mais veloz o tirou o campeonato.

“Nas últimas corridas a pressão estava nas alturas e o que quer que desse errado, eu estava cobrando a equipe. Não foi um período feliz e meu nervosismo se refletiu na equipe”, disse Martín à Antena 3.

“Eu entendi que essa atitude não poderia funcionar. Foi uma lição importante. Não creio que tenha perdido o título em Valência.”

“O que ainda me dói é a corrida na Indonésia. Eu liderava com três segundos de vantagem e com esse resultado talvez tivesse vencido o campeonato mundial.”

“Sentir-me tão superior naquele momento e querer humilhar meus adversários, por assim dizer, me fez fracassar. Aprendi que você pode vencer uma corrida por um segundo ou dois décimos, mas os pontos permanecem os mesmos.”

Além disso, Martín ainda falou sobre sua relação com Aleix Espargaró – que ele considera seu único amigo na MotoGP.

“Só me dou bem com o Aleix [Espargaró]. É quase uma relação fraterna entre nós”, seguiu.

“Ele cuida de mim desde os meus 16 anos. Não finjo ser amigo dos outros, eles são meus rivais.”

“Passar o Aleix não é a mesma coisa que ultrapassar os outros, vou a todo vapor, mas continuo sendo respeitoso porque estamos arriscando a vida, é um esporte perigoso, mesmo sendo o primeiro a nunca desistir de um desafio.”