Mercedes pode voltar a ser opção para Ocon seguir na F1

Nesta segunda-feira (3), a Alpine anunciou a saída de Esteban Ocon ao final deste ano da F1. Entretanto, o francês ainda não confirmou quais serão seus próximos passos no próximo campeonato, apesar de deixar claro que terá um anúncio em breve.

Segundo nota publicada pela equipe, ambas as partes “concordaram em se separar no final da temporada de 2024”. O encerramento do contrato do piloto e equipe franceses coloca um ponto final em uma parceria de cinco anos que rendeu a única vitória da equipe até o momento, no Grande Prêmio da Hungria de 2021, além de mais dois pódios, um em 2020 e outro em 2023. 

O anúncio veio dias depois do GP de Mônaco, quando Ocon e seu companheiro Pierre Gasly se envolveram em uma colisão logo no início da prova que custou a Esteban sua corrida. Sobre o ocorrido, o chefe de equipe Bruno Famin afirmou que teriam “consequências”.

Ocon entrou na F1 em 2016, para substituir um piloto da equipe Manor. No ano seguinte, assinou contrato com a Force India, onde, apesar de algumas desavenças com seu então companheiro Sergio Pérez, permaneceu até 2018, quando Lawrence Stroll comprou a equipe e dispensou o piloto francês para que seu filho Lance pudesse ter uma chance na F1. 

Com isso, Ocon ficou sem um assento para o ano seguinte, mas não totalmente desamparado, contando com o apoio da Mercedes e de Toto Wolff, que lhe deram a oportunidade de atuar como piloto reserva da equipe alemã. Esteban aguardou com paciência, e em 2020 pôde retornar para as pistas da F1, dessa vez com a Renault – atual Alpine –, garantindo ainda uma vitória brilhante no GP da Hungria do ano seguinte. 

A equipe parecia andar nos trilhos, conquistando pontos e brigando por melhores posições, mas o trem da Alpine começou a descarrilhar, e além do mau desempenho nas corridas, vários funcionários seguiram caminhos diferentes. 

Em 2023, o chefe de equipe Laurent Rossi foi substituído por Famin. Depois, o chefe técnico Pat Fry e diretor técnico Matt Harman, e o chefe de aerodinâmica Dirk de Beer também partiram. Além deles, deixou a Alpine Rob White, um membro antigo da equipe.

Agora, o time também se despede de Esteban Ocon, que fortemente ajudou no desenvolvimento da escuderia, além de trazer alguns troféus para casa. Em seus anos na F1, Ocon mostrou rapidez e comprometimento, mas também se colocou em posições difíceis com seus companheiros de equipe, o que pode ter lhe custado sua vaga na Alpine. 

O piloto afirmou que irá anunciar seus “planos muito em breve, mas, enquanto isso, meu foco total é ter um restante de temporada bem-sucedido”. Estaria seu futuro mais uma vez nas mãos da Mercedes? A equipe já o apoiou em 2014, depois que Esteban ganhou o título europeu de Fórmula 3 e ficou sem o suporte de seu programa de gestão, e em 2018, quando foi desligado da Force India e se viu sem um assento para pilotar no ano seguinte.

A própria Mercedes está em busca de um piloto para substituir o sete vezes campeão mundial Lewis Hamilton, que irá deixar a equipe por uma vaga na Scuderia Ferrari. Porém, o assento parece estar praticamente garantido para Andrea Kimi Antonelli, piloto júnior da Mercedes que tem mostrado seus talentos com o volante na Fórmula 2.