F1: Wolff diz que briga pelo vice-campeonato pode deixar a temporada interessante

Toto Wolff, chefe da Mercedes, acredita que a temporada 2024 da Fórmula 1 ainda pode ser emocionante, apesar de admitir que Max Verstappen não pode ser alcançado.

A Red Bull assumiu o posto da Mercedes como força dominante na F1 desde a volta dos carros de efeito solo em 2022, vencendo quase todas as corridas desde então.

Depois de abandonar a corrida na Austrália, Verstappen e a Red Bull continuaram seu domínio em Suzuka para registrar a terceira dobradinha em quatro corridas este ano.

Verstappen, que busca seu quarto título consecutivo de pilotos em 2024, terminou 20 segundos na frente de Carlos Sainz da Ferrari, que conquistou o terceiro lugar.

Wolff reconheceu que o campeonato desta temporada já tem dono, restando a briga pelo vice-campeonato. “Ninguém vai pegar o Max este ano. A pilotagem dele e o carro estão espetaculares. Dá para ver como ele gerencia os pneus. No momento, a temporada é basicamente sobre o ‘melhor do resto’. Essa é a briga que está acontecendo”, disse ele.

A Mercedes terminou em sétimo e nono em Suzuka, com a equipe na quarta colocação no mundial de construtores. Apesar da desvantagem de 86 pontos para a Ferrari, Wolff ainda espera que a Mercedes possa melhorar o suficiente para repetir o vice-campeonato da temporada passada.

“Esperamos alcançar a McLaren e a Ferrari para lutar pelo P2”, acrescentou. A F1 experimentou um crescimento exponencial em 2021, que teve Red Bull (com Max Verstappen) e Mercedes (com Lewis Hamilton) duelando até a última volta da corrida final daquela temporada.

No entanto, o domínio de Verstappen e Red Bull no topo do pódio nos últimos tempos, tem gerado receio de que novos fãs percam o interesse pela categoria, mas Wolff argumenta que seria errado classificar o sucesso do rival como algo ruim para a F1, afirmando que a responsabilidade de desafiá-los recai sobre os concorrentes da Red Bull.

Questionado sobre como manter a audiência engajada com ainda vinte corridas restantes este ano, Wolff respondeu: “Eu não colocaria dessa forma, porque quem está na frente é o justo vencedor, e acredito que vimos as Ferraris mais próximas dele (Verstappen). Acho que podemos chegar mais perto da Ferrari do que mostramos hoje. Ainda é emocionante. Não sei como foi a corrida para vocês assistirem, eu só vejo nossos carros em tempo dividido, então nunca tenho uma imagem real do que está acontecendo na pista, mas acredito que esteja bem acirrado entre P3, às vezes P2, e P8. Nesse sentido, haverá alguma ação e precisamos nos esforçar para ter um desempenho melhor, e eventualmente, desafiá-los”, encerrou Wolff.