F1: Wolff confirma discussões entre Mercedes e Alpine sobre unidade de potência

Toto Wolff confirmou rumores de conversas entre a Mercedes e a Alpine sobre fornecimento de unidade de potência. Nos últimos meses surgiram boatos no paddock de que a equipe francesa desejava buscar um novo fornecedor para seu motor, e que existiam conversas com a Mercedes.

“E sobre os rumores, simplesmente não comentamos os rumores”, disse Bruno Famin, chefe da Alpine quando perguntado sobre a possível troca. 

“Devemos muito respeito a todos em Viry que trabalham nesse projeto e a pior coisa seria comentar sobre os rumores”, acrescentou.

Ao contrário de Famin, Toto Wolff escolheu falar sobre o assunto, dando a entender que os rumores não eram infundados.

“Você sabe, é uma situação, acho, complicada porque gostamos da ideia de substituir a Aston Martin por outra equipe devido ao aprendizado que você faz”, disse Wolff.

“Acho que estamos configurados como uma organização que, quanto mais unidades de potência você usa, melhor é em termos de acelerar alguns dos desenvolvimentos ou a confiabilidade. Então, é isso. [As conversas] não foram além do ponto de troca de opiniões, sabe, discussões exploratórias”.

“Acho que a Alpine tomará uma decisão, [se] querem continuar com seu programa de motores de Fórmula 1 ou não e, só quando tomarem essa decisão estratégica, mergulharemos em nossos acordos. Mas estamos de mente aberta, e foi isso que dissemos a eles”.

Zak Brown, CEO da McLaren, equipe que usa da unidade de potência da Mercedes, disse sua opinião sobre a Alpine também se tornar uma parceira da equipe alemã.

“O que é bom para a HPP é bom para a McLaren, na nossa opinião. Eles têm sido um parceiro incrível para trabalhar. Então, se isso agregar valor à proposta da unidade de potência, estamos totalmente a favor”, disse Brown.

“Quanto ao prazo de decisão, acho que quanto mais cedo você puder tomar uma decisão sobre qualquer decisão que tomar, melhor é o tempo de preparação”. Brown acredita que caso a Alpine e a Mercedes desejem fechar negócio, quanto mais rápido eles fizerem isso, melhor será para se prepararem para a temporada de 2026. 

No entanto, Wolff argumentou que é “uma decisão muito complicada e duradoura para a HPP tomar” tão rápido.

James Vowles, chefe de equipe da Williams, também teve uma perspectiva positiva sob a possível parceria.  

“Quanto mais unidades de potência você tiver em circulação, mais aprendizado você terá”, disse. “Mas acho que também é justo dizer, não tenho certeza de onde estão a McLaren e a Mercedes, mas da nossa perspectiva, temos trabalhado junto com a HPP para acertar o conceito para 2026 há muitos meses”.

“Então, o que quer que você faça, estará de seis a 12 meses atrás das outras três equipes. Isso é bastante penalizante no grande esquema das coisas. Isso não significa que seja inatingível, mas haverá áreas onde você estará comprometendo”.

“Há uma quantidade tremenda de trabalho para acertar 2026, e a menor decisão sobre o layout pode ter um impacto bastante grande.”