F1: Wolff afirma que pressão sobre Antonelli é culpa da Mercedes

Toto Wolff, chefe da Mercedes, admitiu que sua equipe contribuiu para o exagero em torno do jovem piloto, Andrea Kimi Antonelli. O piloto júnior da Mercedes é apontado por muitos como o maior talento desde Max Verstappen, e favorito para substituir Lewis Hamilton (que vai para a Ferrari) na próxima temporada da Fórmula 1.

Alguns acreditam que Antonelli poderia estrear ainda este ano, no lugar de Logan Sargeant na Williams, e a equipe inclusive teria solicitado à FIA uma autorização especial para isso, já que o italiano tem apenas 17 anos e o regulamento exige 18 anos como idade mínima. Para 2025, o RacingNews365 apurou que Valtteri Bottas está negociando com a Williams, o que pode indicar que mesmo que Antonelli corra na equipe britânica ainda em 2024, para o ano que vem ele não deve permanecer na Williams, aumentando suas chances na Mercedes.

No entanto, caso o piloto de 17 anos não esteja pronto, as opções da Mercedes para 2025 diminuem, principalmente com a possível ida de Carlos Sainz para a Audi. Apesar disso, Wolff não tem pressa para tomar uma decisão.

“Carlos tem seu lugar na Fórmula 1, ele tem muita experiência com a Ferrari nos últimos anos”, disse Wolff à imprensa. “Precisamos estar preparados para compromissos e esperar para ver como a situação se desenrola ao longo dos próximos meses. Com George Russell, temos um excelente piloto. Vamos ver quem será seu companheiro de equipe. Mas não precisamos tomar essa decisão agora.”

A principal razão pela qual Wolff não tem pressa para anunciar a dupla de pilotos para 2025, é o tempo de desenvolvimento que ele quer dar a Antonelli em sua temporada de estreia na Fórmula 2. Além da F2, o italiano vem realizando vários testes em carros de F1 antigos da Mercedes.

Nesses testes, incluindo um com o W13, Antonelli teria apresentado ótimo desempenho. No entanto, apesar de seu talento, a pressão em cima do jovem piloto é imensa, e Wolff reconhece a parcela de culpa da Mercedes.

“Estamos criando muita expectativa em cima desse jovem há muito tempo”, disse Wolff. “Ele será um excelente piloto na Fórmula 1 um dia, mas ele tem 17 anos. Há 14 meses, ele pilotava um carro de F4, e há muita expectativa na Itália, e nós também somos um pouco culpados por falarmos tanto dele nesse momento. Devemos deixá-lo correr na F2 e mostrar resultados, sem nos deixarmos levar pelo que poderia ser ou deveria ser. George Russell venceu a F3 e a F2 em seu ano de estreia, e Andrea também teve sucesso nas categorias de base e agora está na F2. Ele estará na Fórmula 1 um dia, mas não vamos apressar isso”, encerrou o chefe da Mercedes.