F1: Vasseur admite necessidade de melhorar seu estilo de liderança na Ferrari

Fred Vasseur, chefe de equipe da Ferrari, identificou uma área de sua liderança que ele sabe precisar de melhorias. Vasseur está no comando da Scuderia há 17 meses, sendo o primeiro francês no cargo desde a saída de Jean Todt em 2007, após uma sequência de quatro chefes italianos.

Vasseur tem supervisionado mudanças positivas dentro da equipe e, depois de um ano de transição sob sua liderança na temporada passada, a Ferrari agora está competindo na frente ao lado de Red Bull e McLaren nesta temporada.

Carlos Sainz e Charles Leclerc conquistaram uma vitória cada um, e apesar da surpresa no desempenho da Ferrari na última corrida no Canadá, dado o triunfo emocionante de Leclerc em seu país natal, Mônaco, duas semanas atrás, a equipe está apenas 49 pontos atrás da líder Red Bull no campeonato de construtores.

Em um nível pessoal, apesar de aparentemente estar conduzindo a Ferrari na direção certa, Vasseur, de 56 anos, reconhece que tem espaço para melhorar.

“Provavelmente um dos meus defeitos, pelo menos o que minha esposa me diz, e tenho que confiar na minha esposa, é que estou sempre focado nos pontos negativos. Provavelmente, é um aspecto profissional que estou sempre tentando dar o melhor e melhorar onde somos fracos, e não estou focado no que estou fazendo bem. Às vezes, ela me diz: ‘Você precisa dizer ‘bom trabalho’ para alguém’. É verdade que não sou o campeão mundial nisso. Estou mais focado em onde precisamos continuar a melhorar, para ter uma melhor reação, melhor antecipação. Se temos espaço para melhorar, é nisso que estou focado,” disse Vasseur, em uma entrevista ao The New York Times.

“Isso significa que, se você falar sobre mim, tenho que dizer que, como chefe de equipe, provavelmente preciso ser um pouco mais positivo com todos às vezes. No final de uma corrida, por exemplo, cada vez que dizem, ‘Ok, vamos pegar o rádio para agradecer’, estou focado na minha bagunça e digo, ‘Ah, tarde demais’,”

Apesar de suas questões pessoais de negatividade, Vasseur está mudando a abordagem da equipe, tanto dentro quanto fora das pistas. Ao avaliar o que ele sente que mudou dentro da Ferrari durante seu tempo no comando, Vasseur destacou duas áreas-chave.

“Ainda é um estágio inicial porque em uma equipe de corrida, você tem dois cronogramas diferentes”, disse Vasseur. “Você tem o recrutamento de pessoas, e este é um processo muito longo porque quando você está recrutando pessoas, elas se juntam 12 a 18 meses depois. Primeiro, você precisa identificar as fraquezas, depois identificar as pessoas, para recrutá-las. O processo geral, é mais um projeto de dois anos.”

Referindo-se à recente aquisição de Loïc Serra da Mercedes como o novo chefe de desempenho de chassis da Ferrari, Vasseur acrescentou: “Ele se juntará no final do ano, e trabalhará no carro do próximo ano. Este é tipicamente o projeto de médio a longo prazo.”

Em relação ao curto prazo, ele disse: “É mais sobre colocar tudo junto, para ter um bom espírito de equipe. Provavelmente é a única coisa que você pode fazer a curto prazo, reorganizar alguns departamentos, mudar pessoas, mas isso é mais uma questão de mentalidade no final. Fizemos isso bastante rapidamente no ano passado, e acho que está valendo a pena. Talvez, como chefe de equipe, o que você pode mudar rapidamente é um pouco a mentalidade ou a capacidade de correr riscos, a autoconfiança, esse tipo de espírito de equipe, digamos assim. Acho que demos um passo decente à frente.”