F1: Vaga de Sargeant na Williams cada vez mais ameaçada

O futuro de Logan Sargeant na Williams é bastante incerto. Apesar de estar em sua segunda temporada na Fórmula 1, o piloto americano enfrenta muitas dificuldades para acompanhar o ritmo do companheiro de equipe, Alex Albon. A situação é crítica para a Williams, que ainda não pontuou no campeonato.

Andrea Kimi Antonelli, piloto júnior da Mercedes e atualmente correndo na F2, é apontado como possível substituto de Lewis Hamilton em 2025, enquanto rumores sobre uma estreia na F1 com a Williams ainda este ano (no lugar de Sargeant) estão ganhando força. No entanto, o jovem piloto ainda não possui a superlicença necessária para corer na F1, pois não tem os 18 anos necessários para isso. A FIA, porém, já recebeu um pedido de dispensa especial para Antonelli.

Mesmo com essa especulação, o chefe da Williams, James Vowles, garantiu a permanência de Sargeant, pelo menos no curto prazo. No entanto, deixou claro que o americano precisa melhorar seu desempenho para manter a vaga.

“Sem dúvida, este é um grid difícil”, disse Vowles. “Mas como eu sempre disse, é uma meritocracia. É preciso conquistar seu lugar. Logan tem trabalho a fazer, mas também é um dos vinte melhores pilotos do mundo e está no grid da F1. Há uma razão para isso. Ele está no carro, ele permanecerá no carro e meu trabalho aqui é apoiá-lo.”

Sargeant ainda não terminou à frente de Albon em nenhuma corrida e soma apenas um ponto, contra 27 do tailandês. Vowles reconhece o desafio que o piloto americano enfrenta.

“No final do ano passado, ele chegou perto de Alex, que era o que eu queria que fizesse, mas esse progresso precisava continuar”, disse Vowles. “Ele precisa estar no ponto em que não esteja a um décimo atrás de Alex, mas sim desafiando-o, superando-o na classificação e na corrida, e ainda estamos nessa jornada”, acrescentou.

“O desafio que Logan tem pela frente é enorme, não podemos subestimar o talento de Alex. Ele é um piloto brilhante. No que diz respeito a Logan, o que tenho pedido a ele é que, apesar de toda a pressão, ele precisa deixar isso para trás e focar em lutar e superar Alex, impulsionando a equipe para frente”, finalizou o chefe da Williams.