F1: Tsunoda diz que pressão atrapalhou, mas estratégia deu resultado

Yuki Tsunoda conquistou pontos importantes para a RB no GP de Mônaco de Fórmula 1, mas o piloto japonês revelou que a corrida não foi tão empolgante para quem estava no cockpit.

“Foi uma corrida muito longa”, disse Tsunoda. “Tínhamos que respeitar a estratégia, o que tínhamos planejado. Não queríamos dar nenhum espaço para os nossos concorrentes.”

O piloto explicou que a RB optou por poupar pneus e administrar o ritmo para evitar ultrapassagens. Apenas nas últimas voltas, Tsunoda recebeu liberação para acelerar e abriu vantagem sobre Alex Albon da Williams.

“Estávamos administrando os pneus e o ritmo. Nas últimas três voltas, nós nos divertimos porque me disseram que eu podia acelerar ao máximo. Até então, era um ajuste fino para ter certeza de que não estava sendo ganancioso e administrando os pneus.”

Tsunoda revelou que a RB optou por segurar o ritmo para evitar ultrapassagens e proteger a boa posição de largada. “Eu estava administrando bastante a corrida. Por exemplo, Lance (Stroll) nem fez pit stops para garantir que, se o Safety Car chegasse, ninguém nos ultrapassasse. Tive que controlar o ritmo. Obviamente, como piloto, é frustrante quando você sabe que tem ritmo para mais. Mas estou feliz por ter seguido o que a equipe disse.”

Apesar da frustração momentânea, Tsunoda reconheceu a importância de seguir a estratégia da equipe.

“Mônaco é uma pista muito difícil de ultrapassar. Você não quer ser pressionado pelo piloto de trás. A pressão afeta qualquer um. Não é um sentimento legal. Especialmente quando um carro está atrás e tenta ultrapassar. Já tínhamos conversado sobre isso e eu sabia que seria assim. Estou feliz por ter conseguido fazer o que eles pediram”, acrescentou.

O japonês também comentou sobre a corrida sem grandes emoções em Mônaco.

“Mantemos a emoção extra para a sessão de classificação, como todos sabem que é uma sessão muito importante em Mônaco. Provavelmente mais do que uma corrida normal, e terminamos entre os dez primeiros. Obviamente, na corrida é difícil ultrapassar e talvez menos emocionante para os espectadores, mas acho que isso é Mônaco. E é por isso que a sessão de classificação é mais especial em comparação com outras pistas”, encerrou o piloto da RB.