F1: “Red Bull segue como favorita”, afirmou Stella

Apesar da vitória de Lando Norris no GP de Miami de Fórmula 1, o chefe da McLaren, Andrea Stella, minimizou a empolgação dos fãs. Segundo ele, seria ‘irreal’ acreditar que a equipe agora tenha um carro mais rápido que a Red Bull.

No GP de Miami a McLaren introduziu novidades no MCL38, o que ajudou Norris a conquistar sua tão sonhada primeira vitória na F1. No entanto, o piloto britânico estava apenas em sexto na primeira parte da corrida, pulando para a liderança graças a uma oportuna entrada do Safety Car, e depois apresntando um ritmo forte e consistente.

Na relargada, Norris disparou e abriu uma vantagem de 7.6 segundos, levando o consultor da Red Bull, Helmut Marko, a afirmar que a McLaren possuía o pacote mais veloz.

Stella, no entanto, discorda. Ele alega que o desempenho da Red Bull em Miami foi prejudicado por problemas no carro de Max Verstappen e uma configuração inadequada.

“Nós definitivamente melhoramos o carro”, disse Stella. “Sabemos pelos números o quanto ele evoluiu. É um ganho material, e isso se reflete no tempo de volta. Mas creio que para a Red Bull, essa corrida foi um pouco complicada. Então, antes de afirmarmos que o ritmo que vimos hoje representa o futuro, eu não posso confirmar isso.”

Apesar disso, Stella reconhece que a vitória de Norris na 110ª tentativa trará motivação extra para a equipe acelerar o desenvolvimento do MCL38. Porém, o italiano destacou que a McLaren precisa repetir o ritmo de atualizações recentes para brigar de igual para igual com a Red Bull na temporada.

“Vamos levar essa vitória como algo positivo, como um incentivo”, continuou ele. “Isso nos dá ainda mais energia para desenvolver o carro, possivelmente até mais rápido do que estamos fazendo agora. Mas na minha opinião, se quisermos lutar consistentemente com a Red Bull, precisamos entregar outro pacote como o que levamos para Miami, porque antes, no Japão, estávamos seis décimos atrás deles na sessão de classificação. Na China, novamente, estávamos a alguns décimos de distância. Então seria completamente irreal pensar que o que em Miami é um retrato definitivo da competitividade. Acho que a Red Bull simplesmente não conseguiu extrair o máximo de seu pacote”, finalizou Stella.