F1: Pat Fry revela motivos para deixar a Alpine e assumir desafio na Williams

Pat Fry, recentemente nomeado Chefe Técnico da Williams na Fórmula 1, compartilhou os motivos que o levaram a deixar a equipe Alpine, destacando a falta de “entusiasmo” da equipe em enfrentar os principais competidores. Fry, que teve passagens importantes pela McLaren e Ferrari antes de retornar ao grupo Renault em 2020, desempenhou um papel crucial em elevar a Alpine ao quarto lugar no Campeonato de Construtores com a introdução dos carros de efeito solo.

Apesar desse avanço inicial, a Alpine enfrentou dificuldades em progredir e teve um começo tumultuado na temporada, terminando em sexto lugar no campeonato. A saída de Fry da equipe foi acompanhada pela de outras figuras-chave, como o Chefe de Equipe Otmar Szafnauer e o Diretor Esportivo Alan Permane, em julho.

Explicando sua decisão de deixar a Alpine, Fry destacou que, apesar das melhorias significativas em Enstone nos primeiros três anos, ele sentiu que faltava o impulso necessário para ir além do quarto lugar. “Mas eu não sentia que havia entusiasmo ou impulso para avançar além do quarto lugar”, disse Fry em Abu Dhabi. “Decidi no início de março que quero estar impulsionando as coisas para frente, não apenas sentar lá e não poder fazer as coisas. Então, para mim, era hora de parar e seguir em frente”, acrescentou.

Concordando com as críticas de Szafnauer à gestão da Renault por não compreender o processo de longo prazo para o sucesso, Fry refletiu sobre os desafios de trabalhar dentro de certas restrições na Alpine. “Não tenho certeza se Otmar teve uma chance justa de consertar o lugar, porque, em certo grau, acho que metaforicamente suas mãos estavam atadas”, comentou Fry.

Fry iniciou seu trabalho na Williams durante as últimas corridas da temporada, uma equipe que alcançou sua melhor colocação desde 2017 com a sétima posição. Ele admitiu que levou um tempo para ser convencido pelo Chefe de Equipe da Williams, James Vowles, a aceitar o desafio de reviver a equipe icônica. “A coisa que me empolga sobre esta oportunidade é que o conselho está totalmente a bordo com o que é preciso para levar este lugar para frente”, disse Fry.

Ele expressou entusiasmo em liderar os esforços de recuperação da Williams, destacando o comprometimento do conselho em investir e apoiar a construção de uma equipe forte. “E novamente, é uma coisa boa, não é, reconstruir um antigo ícone britânico. É um pouco como minha visão romântica de voltar ao Benetton para reconstruí-los. Então, é outra perspectiva empolgante”, concluiu Fry.