F1: Komatsu afirma que não houve pressão da Ferrari na contratação de Bearman

A Haas confirmou nesta semana a contratação de Oliver Bearman para a temporada 2025 da Fórmula 1, e o chefe da equipe, Aeao Komatsu, descartou qualquer tipo de interferência da Ferrari nessa decisão.

O anúncio oficial aconteceu antes do GP da Inglaterra e Bearman, de 19 anos, terá um contrato de longo prazo com a equipe norte-americana. O jovem britânico já havia participado de treinos livres e testes pela Haas na temporada passada e era o favorito para a vaga de piloto titular em 2025.

Komatsu afirmou que ficou impressionado com Bearman desde a primeira participação do piloto em um treino livre pela Haas, no México. “Fiquei muito impressionado com Ollie desde o primeiro dia, quando ele pilotou para nós no TL1 no México”, disse o chefe da equipe.

“Não apenas pela velocidade, mas também pela ética de trabalho, a atitude, a forma como se comunica com os engenheiros, como ele entende o programa como um todo, o que procuramos como equipe, e como ajusta sua abordagem de acordo. Além disso, no carro, ele aprende muito rapidamente. Durante as simulações de classificação e treinos com tanque cheio, ele consegue entender sozinho os erros que cometeu, como corrigi-los, e como absorver e aplicar as instruções dos engenheiros na volta seguinte. No geral, vejo muito potencial nesse jovem piloto”, disse ele.

Apesar do desempenho irregular de Bearman na Fórmula 2 em 2024, onde ocupa a 14ª colocação no campeonato, Komatsu afirmou que a Haas não considerou muito esse fator na decisão. “Não demos muita importância aos resultados dele na F2”, disse Komatsu.

“Como eu disse antes, não conheço toda a história dele. Mas quando tivemos acesso ao Ollie, fazendo tantos treinos livres, obtivemos toda a história. O que ele faz, o que não faz, o que pode fazer melhor, o que faz bem, o que não faz muito bem. Então, para mim, isso foi suficiente”, acrescentou.

Além de pilotar o carro atual da Haas no treino livre em Silverstone nesta sexta-feira, Bearman também negou que a Ferrari tenha pressionado a equipe para contratá-lo. “Foi nossa decisão. Não é como se a Ferrari tivesse nos imposto o Ollie”, afirmou Komatsu.

“Sim, a opinião da Ferrari, o feedback de Jeddah foi interessante (quando Bearman substituiu Carlos Sainz na Ferrari e terminou a corrida em P7), então levamos isso em consideração. Mas sim, foi nossa intenção. Gene (Haas, proprietário da equipe) e eu decidimos que era uma boa opção.”

O dirigente japonês espera, no entanto, uma troca de informações entre Haas e Ferrari para avaliar o progresso de Bearman ao longo do tempo. “Sim, acho que sim”, respondeu Komatsu quando questionado sobre o compartilhamento de impressões com a Ferrari.

“Por exemplo, no primeiro teste no México, a Ferrari perguntou se um de nossos engenheiros que vem acompanhando Ollie no programa poderia participar de algumas reuniões. Eu disse sim, sem problemas. Mas desde então, não tivemos ninguém da Ferrari. Porém, sempre que me reúno com Fred (Vasseur, chefe da Ferrari), e se ele fizer perguntas, é claro que darei feedback a ele. Então, sim, tenho certeza de que haverá um diálogo informal e irregular”, afirmou.

Por fim, Komatsu justificou a opção por um contrato de longo prazo com Bearman. “É um contrato de vários anos. Não faz sentido ter alguém por apenas um ano, especialmente quando é alguém tão jovem quanto Ollie. Então, no mínimo dois anos”, finalizou o chefe da Haas.