F1: Haas não pontuou, mas gostou do ritmo apresentado em Ímola

A equipe Haas teve um desempenho até que razoável no GP da Emília-Romanha de Fórmula 1, com Nico Hulkenberg terminando a corrida quase na zona de pontuação, em P11 e Kevin Magnussen em P12.

Ayao Komatsu, chefe da equipe: “Novamente, são sentimentos ligeiramente confusos. Acho que Kevin fez uma corrida realmente ótima, uma corrida boa e limpa, especialmente depois de Miami. Acho que ele teria uma boa chance de marcar pontos se não fosse pelo momento no seu pit stop. O pit stop em si não foi ótimo, mas corremos muito risco de fazer uma parada tão tarde, então isso é frustrante. O lado positivo aqui, é que o Kevin pilotou muito bem e merecia marcar pontos. Foi um pouco complicado para Nico porque ele estava lutando contra os dois carros da RB que é a nossa principal concorrente. Ele fez uma boa corrida, mas parar tão cedo em termos de degradação dos pneus duros não foi fácil, então pensando bem, provavelmente teríamos feito algo diferente. No geral, é muito positivo termos feito sete corridas e em cada corrida estamos perto de marcar pontos, e efetivamente marcarmos em algumas delas. Estou encorajado com este desenvolvimento e em Mônaco estamos ansiosos para ter outra oportunidade”, concluiu.

Hulkenberg: “Foi prejudicado por Yuki (Tsunoda), então foi uma posição perdida, e Checo (Sergio Perez) em seu Red Bull estava se recuperando e não há como impedi-lo com pneus muito mais novos e uma estratégia diferente. Francamente, não acho que tivemos ritmo suficiente, parece que estávamos perdendo um pouco e a estratégia de parar cedo tornou a vida bastante difícil. Foi um longo período final e foi uma luta encontrar uma boa harmonia e ritmo. Acho que agora está confirmado que podemos competir no pelotão intermediário e isso é ótimo em comparação com o ano passado. Porém, você se acostuma com essas coisas boas e sempre quer mais, e eu quero lutar por pontos, então precisamos continuar pressionando”, acrescentou.

Magnussen: “Acho que tivemos um dia decente. Não ganhamos nada de graça em termos de carros à frente com problemas, então o 12º lugar significou que realmente conquistei isso ultrapassando as pessoas na pista e lutando por isso. Parecia uma boa corrida, mas começamos muito atrás. Mostramos hoje que o ritmo estava lá e estávamos bem em relação à nossa concorrência no pelotão intermediário, mas a nossa posição inicial fez com que não marcássemos pontos hoje”, encerrou.

O F1MANIA.NET acompanha ‘in loco’ todas as atividades do GP da Emília-Romanha, diretamente de Ímola, com o jornalista Rodrigo França.