F1: Gene Haas explica promoção interna e não um nome conhecido na categoria como novo chefe

Com a saída de Guenther Steiner da Haas, quem seria o novo chefe da equipe na Fórmula 1, logo foi uma questão levantada por muitas pessoas, porém não foi necessário aguardar muito, pois não demorou para a Haas aunciar Ayao Komatsu. Nomes como Mattia Binotto (ex-Ferrari), Otmar Szafnauer (ex-Alpine) e Jost Capito (ex-Williams), já estavam sendo especulados e pareciam opções óbvias. Mas surpreendendo a todos, o dono da equipe, Gene Haas, optou por uma rota diferente e promoveu o engenheiro Komatsu, que já estava no time desde o início da equipe na categoria.

A decisão de não atrair os ‘big outsiders’ pode parecer estranha à primeira vista. Afinal, Binotto e Szafnauer possuem vasta experiência como líderes de times grandes, mas para Haas, a prioridade estava em encontrar alguém que já conhecesse a equipe por dentro e por fora.

“Trago pessoas de fora há mais de 40 anos na Haas Automation”, afirmou Gene Haas no site oficial da Fórmula 1. “Leva tempo para eles aprenderem, de seis meses a um ano, e muitas vezes você nem gosta deles. É melhor pegar pessoas que você conhece, e mesmo que não sejam o encaixe perfeito, pelo menos você sabe o que vai receber. Isso funcionou muito bem para nós na Haas Automation, então estou aplicando isso à equipe de Fórmula 1.”

Além da familiaridade, Haas destacou a mentalidade técnica de Komatsu como um benefício para o time. “Eu gosto de ter pessoas que conheço, que entendem as operações do dia a dia, entendem as pessoas, ao invés de trazer um estranho que vai mexer em tudo e criar uma bagunça. Ayao é muito técnico, ele olha para as coisas baseadas em estatísticas, o que estamos fazendo mal, onde podemos melhorar. É uma abordagem diferente. Precisamos mesmo de algo diferente porque não estávamos indo bem”, finalizou o proprietário da equipe.

Junto da escolha de Komatsu, existe o plano de contratar um diretor de operações baseado na Europa. Juntos, eles irão se reportar diretamente a Gene Haas e ao vice-presidente da Haas Automation, Bob Murray. Resta saber se a filosofia de ‘conhecer bem’ e o lado técnico de Komatsu, conseguirão levar a Haas a um novo patamar.