F1: Ferrari precisa “dar um pequeno passo à frente” nas próximas corridas

Apesar de um bom resultado para a equipe, a Ferrari não ficou particularmente contente com o desempenho geral no GP da Espanha. Charles Leclerc e Carlos Sainz tiveram estratégias diferentes de pneus, mas no final, isso não teve um grande impacto no resultado. 

Com Leclerc terminando em P5 e Sainz em P6, a equipe italiana deixa a Espanha com mais de 18 pontos no campeonato, no qual permanecem em segundo lugar, atrás da Red Bull. Sobre a corrida, os pilotos da Scuderia Ferrari e o seu chefe de equipe, Fred Vasseur, expressaram seus sentimentos.

 

Charles Leclerc

“Foi uma corrida disputada hoje e estávamos a apenas uma volta de lutar pelo P4, mas nossos competidores ainda estavam à frente em termos de ritmo. Quanto à nossa estratégia, acho que fizemos bem ao nos diferenciar dos carros ao nosso redor. Talvez tenhamos perdido algum tempo entre nossos dois carros no início da corrida, mas daqui para frente vamos focar em nosso ritmo de corrida para extrair o máximo de nosso pacote no próximo evento.”

 

Carlos Sainz 

“Foi uma corrida difícil, mas demos o nosso melhor. Parar cedo e terminar a corrida com pneus duros não se mostrou a estratégia ideal hoje, mas só sabemos disso com a perspectiva depois da bandeira quadriculada. De qualquer forma, estávamos um pouco sem ritmo neste fim de semana em geral e precisamos trabalhar para melhorar para o próximo fim de semana na Áustria. Um enorme obrigado a cada fã que veio ao autódromo hoje e também àqueles que nos acompanharam e apoiaram de casa. Uma corrida em casa para um piloto é sempre especial e Barcelona não é exceção para mim.”

 

Fred Vasseur – Chefe de equipe

“Começamos em quinto e sexto lugares e terminamos em quinto e sexto lugares, e a conclusão que tiro disso é que precisamos fazer um trabalho melhor na classificação. Precisamos dar um pequeno passo à frente para não largar atrás, o que nos obriga a assumir riscos com a estratégia. Ontem a diferença para os líderes era de cerca de dois décimos, hoje foi semelhante e se olharmos para a distância da corrida, essa diferença ainda era a mesma. Quanto ao contato entre nossos pilotos, foi muito leve e não acredito que nos tenha custado alguma coisa. O que nos custou mais foi que, após nossas paradas, saímos atrás de alguns carros, foi muito apertado e perdemos dois ou três segundos. Com Carlos, queríamos cobrir Russell, por isso tivemos que ir de médio-duro ao parar mais cedo. Com Charles, o plano era estender o stint para ir um pouco mais longe, o que nos permitiu tentar os Softs. Com essas pequenas diferenças entre as equipes, tudo pode mudar: há quatro equipes com uma diferença de dois a dois décimos, então de pista para pista a ordem pode mudar. Na próxima semana corremos na Áustria, onde teremos outro Sprint e espero que o layout da pista nos favoreça melhor.”