F1: Confira as especificações do regulamento técnico de 2026

Nesta quinta-feira (6), a FIA revelou novo regulamento que trará mudanças significativas para a Fórmula 1. Entre as principais mudanças, a introdução de motores mais sustentáveis e alterações nas regras de aerodinâmica e unidade de potência.

Confira as mudanças no regulamento para 2026.

Unidade de Potência

Publicado pela primeira vez em agosto de 2022, o regulamento da unidade de potência prevê um grande avanço. Com base nos fundamentos do motor híbrido mais eficiente do mundo, atualmente utilizado na Fórmula 1, a unidade de potência de 2026 oferece ainda mais potência do que as unidades atuais.

Enquanto a potência derivada do elemento ICE cai de 550-560kW para 400kW, o fator da bateria aumenta massivamente, de 120kW para 350kW – um aumento de quase 300% na potência elétrica. Assim, o desempenho é mantido, enquanto a sustentabilidade é aprimorada.

Ao simplificar a unidade de potência através da remoção do MGU-H e da expansão da potência elétrica, a unidade de 2026 se torna a mais relevante para uso em estradas já vista na Fórmula 1, e juntamente com combustível 100% sustentável, fornece uma plataforma avançada para futuras inovações transferíveis.

Além disso, a quantidade de energia que pode ser recuperada durante a frenagem é dobrada, resultando em um total de energia recuperável de 8,5 MJ por volta. Um modo de Sobrescrita Manual foi incluído para criar melhores oportunidades de ultrapassagem. Enquanto a implantação de um carro líder diminuirá após 290kph, chegando a zero a 355kph, o carro seguinte se beneficiará do MGUK Override, fornecendo 350kW até 337kph e +0,5MJ de energia extra.

Projetado para atrair novos fabricantes para o esporte, o regulamento levou a compromissos de fornecedores existentes como Ferrari, Mercedes e Alpine, o retorno da Honda como fabricante e a chegada da Audi e Red Bull Ford Powertrains.

Chassi

Projetado para ser menor e mais leve do que a geração atual de carros, as dimensões do carro foram alteradas para aderir ao conceito de ‘carro ágil’ no cerne das novas regras. A distância entre eixos diminui de um máximo de 3600mm para 3400mm, enquanto a largura foi reduzida de 2000mm para 1900mm. A largura máxima do assoalho será reduzida em 150mm.

A redução de peso tem sido um objetivo chave, e os carros de 2026 terão um peso mínimo de 768kg – 30kg a menos em comparação com seus equivalentes de 2022. Isso é composto por 722kg de Carro e Piloto + 46kg de massa estimada dos pneus.

A força descendente foi reduzida em 30% e o arrasto em 55%. O tamanho da roda de 18 polegadas, introduzido em 2022, será mantido, embora a largura dos pneus dianteiros tenha sido reduzida em 25mm e a dos traseiros em 30mm, mas com perda mínima de aderência.

 Aerodinâmica

Os carros de 2026 também se beneficiarão de sistemas totalmente novos de Aerodinâmica Ativa. O sistema, que envolve asas dianteiras e traseiras móveis, resultará em maiores velocidades nas curvas com o modo padrão Z-Mode ativado. Nas retas, os pilotos poderão alternar para o X-Mode, uma configuração de baixo arrasto projetada para maximizar a velocidade em linha reta.

Um aerofólio traseiro ativo de três elementos será adotado, enquanto a asa inferior do feixe foi removida e as placas finais foram simplificadas. A asa dianteira será 100mm mais estreita do que a atual e contará com uma aba ativa de dois elementos.

Em contraste com os carros atuais, os arcos das rodas dianteiras serão removidos, e parte da carenagem das rodas será obrigatória, para ajudar a alcançar um desempenho ideal de vórtice. Placas de controle de vórtice de roda “in-washing” estarão posicionadas na frente dos side pods para ajudar no controle do vórtice das rodas.

Os carros apresentarão um assoalho parcialmente plano e um difusor de menor potência, o que reduzirá o efeito solo e a dependência dos carros em configurações ultrarrígidas e baixas.

 Segurança

A rigorosa busca pela segurança da FIA é mantida nas regulamentações da Fórmula 1 de 2026.As regulamentações revisadas de impacto frontal introduzem uma estrutura em dois estágios para evitar incidentes em que a estrutura de impacto frontal (FIS) se quebra perto da célula de sobrevivência após um impacto inicial, deixando o carro desprotegido para um impacto subsequente.

A proteção contra intrusão lateral foi aumentada. A nova especificação oferece melhor proteção ao redor do cockpit e mais que duplica a proteção fornecida pela lateral do tanque de combustível. Além disso, a proteção aprimorada será alcançada sem adicionar peso.

As cargas no arco de proteção foram aumentadas de 16G para 20G em linha com outras fórmulas de monopostos e as cargas de teste aumentaram de 141kN para 167kN. As luzes das placas finais das asas traseiras serão homologadas e significativamente mais visíveis/brilhantes do que as atuais. Luzes de segurança laterais serão introduzidas para identificar o status do ERS de um carro parado na pista.

A antena GPS está sendo reposicionada para melhorar a sensibilidade e permitir futuros desenvolvimentos em segurança ativa.

Sustentabilidade

A partir de 2026, as unidades de potência da Fórmula 1 usarão combustível totalmente sustentável, destacando o compromisso com corridas ambientalmente responsáveis e estabelecendo um novo padrão para o automobilismo.

Este combustível será “drop-in”, o que significa que pode ser usado em quase qualquer veículo movido a motor de combustão interna (ICE), oferecendo uma solução potencialmente revolucionária para os gases de efeito estufa no setor de transporte. Até 2030, haverá 1,2 bilhões de carros ICE nas estradas em todo o mundo, e o combustível desenvolvido para a Fórmula 1 poderia ser usado para reduzir as emissões em escala industrial.

A sustentabilidade será aprimorada através do maior uso de energia elétrica nas unidades de potência de 2026 e de uma mudança para uma distribuição de 50% de energia elétrica e 50% de energia térmica. As regulamentações de 2026 estão alinhadas com o objetivo da FIA de alcançar zero carbono líquido até 2030.